Tribuna das Ilhas

Vai ser apresentado no próximo dia 21 de março, às 21 horas, no Salão Nobre dos Paços do Concelho da ilha do Corvo o livro “Retratos Sociais da Ilha do Corvo”. Coordenado pelos historiadores Artur Teodoro de Matos e José Guilherme Reis Leite. O livro conta ainda com a colaboração do geógrafo Carlos Alberto Medeiros, o arquitecto João Vieira Caldas e o linguista João Saramago.

O livro que agora é apresentado aos corvinos agrega os conhecimentos mais recentes sobre a História, Geografia, Geologia, Linguística, Urbanismo e Arquitectura do Corvo, suprindo assim um vazio que era urgente colmatar. Escrito para um público não especializado, os textos que compõem o livro agora publicado tornam acessível o que era conhecido apenas no restrito meio académico.

Editado pelo Núcleo Cultural da Horta e financiado pela Câmara Municipal do Corvo, o livro  “Retratos Sociais da Ilha do Corvo” responde a uma necessidade programática do Ecomuseu da Ilha: promover o conhecimento do património corvino, tornar acessível o conhecimento académico, disponibilizar à escola uma ferramenta fundamental para a educação patrimonial, apoiar os depositários da memória colectiva que são também divulgadores de uma herança que se quer partilhada e contribuir para a capacitação dos agentes turísticos que operam na ilha.

Não podendo estar presente no lançamento do livro que co-coordenou, o Professor Doutor Artur Teodoro de Matos lançou um convite e um repto ao Presidente da Câmara Municipal do Corvo no sentido de este apresentar o livro na Casa dos Açores, em Lisboa, assegurando-se, nessa altura, a presença de todos os que contribuíram para a realização do livro. O Presidente da Câmara Municipal do Corvo, José Silva tenciona cumprir ainda em 2017 esse compromisso.

Num requerimento enviado à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA), o Partido Popular Monárquico (PPM), questionou o governo sobre as zonas balneares que foram extintas nos Açores. O requerimento surge na sequência da extinção de algumas zonas balneares na ilha do Corvo e neste sentido a Representação Parlamentar do PPM pretende saber se também foram extintas mais zonas balneares noutras ilhas dos Açores e quais. No documento enviado às Redações o PPM, revela que “uma vez que no requerimento n.º 502/X - Extinção de zonas balneares na ilha do Corvo”, datado de 5 de maio de 2016, “por decisão e omissão governamental este não respondeu à questão colocada”, a Representação Parlamentar do PPM, vem “reiterar a pergunta ao executivo regional sobre o mesmo assunto”. Assim, no requerimento agora entregue, o PPM ao abrigo das disposições estatutárias e regimentais aplicáveis, requer ao governo que esclareça “quais zonas balneares dos Açores foram extintas ao abrigo do n.º 7 do artigo 13.º do Decreto Legislativo Regional n.º 16/2011/A, de 30 de maio”.