Tribuna das Ilhas

Carlos Ferreira, deputado do PSD/Açores eleito pelo Faial, defende que os investimentos previstos para o Porto da Horta têm que projetar o Porto para o futuro e incluir a ampliação da marina, a requalificação das instalações do clube naval, a capacitação para acostagem de cruzeiros de maior dimensão e a dotação de infraestruturas para reparação e manutenção naval que transformem o Porto numa zona de invernagem do Atlântico.

A posição foi assumida na audição, agendada por iniciativa dos deputados do PSD/Açores, ao secretário regional dos Transportes e Obras Públicas, Vítor Fraga, na Comissão de Economia, na qual Fraga garantiu que o procedimento lançado em setembro passado corresponde às necessidades do Faial.

O deputado do PSD/Açores alertou o executivo regional para a necessidade de pensar os investimentos no Porto da Horta e de envolver os operadores portuários, “para que qualquer intervenção não cause prejuízos ainda maiores do que aqueles que foram provocados pela diminuição do comprimento e alteração do ângulo de orientação do cais do molhe norte”.

Carlos Ferreira considera que as declarações do secretário regional demonstram que “o Governo não reconhece os erros graves cometidos no molhe norte do Porto, que afetam de forma significativa a bacia sul e obrigam as embarcações a procurar abrigo fora do Porto da Horta”, como mostram as fotografias que o deputado fez questão de entregar ao secretário regional durante a audição. 

“Saímos desta audição tão ou mais preocupados do que quando entramos. Apesar do Governo declarar que está sempre disponível para o debate, na verdade depois não ouve ninguém”, afirmou. 

“O Governo não reconhece os erros que cometeu e, não reconhecendo os erros cometidos, entende-se que não está disponível para procurar soluções para anular os danos causados”, acrescentou.

O parlamentar do PSD/Açores eleito pelo Faial explica que a anteceder o pedido de audição a Vítor Fraga esteve uma série de contactos mantidos com as associações de pescadores, com o Clube Naval da Horta, com empresas ligadas ao setor marítimo-turístico e com a Portos dos Açores.

Desses contactos saiu a preocupação do PSD/Açores com as decisões unilaterais tomadas pelo executivo açoriano para aquele porto, explica.

  

“O Governo está disponível para encontrar soluções para anular os danos causados? Parece que o senhor secretário está a ficar desagradado com estas questões, mas o mais importante é garantir que os investimentos são feitos para melhorar a vida das pessoas e a economia das ilhas”, insistiu na audição. 

 

Carlos Ferreira lamentou que as intervenções prometidas há vários anos pelos governos do PS estejam excluídas do projeto do Governo para o Porto da Horta e reforçou que o projeto tem que valorizar e potenciar as suas condições naturais privilegiadas, correspondendo às necessidades da ilha do Faial e dos Açores.

Os deputados do PSD/Açores na Assembleia da República apresentaram hoje à embaixadora em exercício dos Estados Unidos em Portugal um conjunto de preocupações sobre o arquipélago, nomeadamente acerca da Base das Lajes.
 
Berta Cabral e António Ventura foram recebidos por Herro Mustafa na sua residência oficial, em Lisboa, para falar sobre as relações bilaterais entre os EUA e Portugal, bem como acerca da presença norte-americana nos Açores.
 
Segundo Berta Cabral, os deputados social-democratas açorianos apresentaram as suas “preocupações relativamente à orientação estratégica da administração Trump para a Base das Lajes e ao processo de descontaminação dos solos e aquíferos na ilha Terceira” por parte dos norte-americanos.
 
A deputada do PSD/Açores acrescentou que o impacto da redução da presença militar dos EUA na economia da Terceira e os possíveis usos alternativos da Base das Lajes foram outras questões analisadas no encontro.
 
O papel da Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento (FLAD) nos Açores e o impacto na economia da Região do Acordo de Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento, mais conhecido como TTIP, estiveram igualmente em cima da mesa.
 
“As nossas preocupações foram bem acolhidas. Aguardaremos soluções tão rápidas quanto possível para as questões abordadas”, afirmou Berta Cabral.
 
Já a embaixadora em exercício dos Estados Unidos, Herro Mustafa, reconheceu que o processo de descontaminação dos solos e aquíferos na ilha Terceira não está concluído e garantiu também que os EUA estão a trabalhar com os governos de Portugal e dos Açores para encontrar soluções para os edifícios devolutos e, em particular, para os dois bairros habitacionais nas imediações da Base da Lajes.
 
Ainda sobre o relacionamento com os Açores, Herro Mustafa fez questão de sublinhar o empenhamento dos EUA em manter a atual presença militar na Base das Lajes e em contribuir para a economia da ilha Terceira e dos Açores.
 

Os deputados do PS-Açores na Assembleia da República defendem uma estratégia para o aumento do consumo de leite. Por isso, o parlamentar do PS João Castro questionou a Ordem dos Nutricionistas sobre que estratégias de valorização do leite, sobretudo assentes no seu valor nutritivo, podem ser adotadas a nível nacional, uma vez que o consumo deste produto tem caído.

Durante a audição da vice-presidente da Ordem dos Nutricionistas, Graça Raimundo, no grupo de trabalho sobre o setor leiteiro na Assembleia da República, o deputado socialista lembrou a crise do setor “que teima em persistir”, apesar da sua estruturação e modernização. Esta crise, explicou, é um problema de excesso de oferta, que tem desvalorizado o produto, destacando-se o baixo preço pago à produção.

| “Sabemos que se trata de um problema global que advém sobretudo do fim das quotas leiteiras, das dificuldades de exportação para alguns mercados, como o russo ou o angolano, mas também de uma retratação do consumo”

João Castro apontou que as vendas em supermercado têm subido nos últimos tempos, no entanto, o mesmo não acontece com os produtos lácteos, mais concretamente com o leite. Deste modo, o deputado defende que é necessário identificar o problema para posteriormente se adotar estratégias nacionais adequadas.

O parlamentar do PS, eleito pelo círculo dos Açores, quer que fique claro que o leite tem um alto valor nutritivo, o que não acontece com alguns produtos que utilizam a mesma designação, apresentando-se como substitutos do leite. Estes produtos, que são colocados ao lado do leite nas cadeias de supermercados, têm um valor nutritivo muito reduzido, sendo que alguns obrigam mesmo a cuidados especiais no momento do seu consumo.

A vice-presidente da Ordem dos Nutricionistas sublinhou, em resposta ao deputado João Castro, que o consumo de leite é recomendável pelo seu alto valor nutricional, bem como os seus derivados.

Desta forma, João Castro revelou que o Partido Socialista irá colocar na proposta de relatório do grupo de trabalho que o leite faz parte de uma alimentação equilibrada e que a sua colocação ao lado de outros produtos que nada têm a ver com leite e seus derivados nos estabelecimentos de venda confunde o consumidor sobre a sua qualidade nutritiva. Por isso, o partido recomenda a toda a distribuição no país que retire dos espaços destinados aos laticínios todos os outros produtos, contribuindo, assim, para uma melhor informação ao consumidor.

A Secretaria Regional da Energia, Ambiente e Turismo, através da Direção Regional do Ambiente, promove sexta-feira, 31 de março, no Jardim Botânico do Faial, uma cerimónia de plantação da árvore Kaki, no âmbito do projeto “Revive Time: Kaki Tree”.

A plantação da árvore Kaki, que será feita pelos alunos da Escola Básica 1,2 António José de Ávila, visa celebrar a vida, uma vez que o projeto “Revive Time” tem como propósito plantar as sementes da arte e da paz nos corações de milhares de crianças com o crescimento das raízes do diospireiro, o que acontece nesta primavera também nos Açores.

Esta é a primeira vez que uma árvore da paz - símbolo de vida e resiliência - é plantada num arquipélago atlântico, numa cerimónia que contará com a presença dos impulsionadores do “Revive Time: Kaki Tree Project”.

Este projeto foi fundado em 1996 pelo botânico Masayuki Ebinuma e pelo artista plástico Tatsuo Miyajima, como forma de valorizar o simbolismo da sobrevivência de uma árvore a uma das maiores tragédias da história da Humanidade.

Trata-se de um diospireiro (Diospyros kaki) descendente de uma das poucas árvores que sobreviveram em 1945 ao lançamento pelos Estados Unidos de uma bomba atómica sobre Nagasaki, no Japão.

Em 2016, após sugestão da bióloga marinha Verónica Neves, o Jardim Botânico do Faial candidatou-se ao projeto, o que permitiu que este ano fosse um dos 15 locais no mundo selecionados para receber uma pequena árvore Kaki.

A Direção Regional do Ambiente convida toda a população a conhecer esta magnífica árvore e a celebrar a importância da paz e da vida, nos dias 31 de março, das 9h30 às 17h00, e 1 de abril, das 14h00 às 17h00.

No âmbito do Roteiro da Criança o Grupo Parlamentar do Partido Socialista Açores promove no dia 30 de março, quinta-feira, a Conferência “A Criança – Desafios de Futuro”, na Casa Manuel Arriaga. A convite do Grupo Parlamentar do PS Açores participa na Conferência a Drª Isabel Almeida Rodrigues, presidente do Comissariado dos Açores para a Infância. O evento que tem início às 20 horas e 30 minutos é aberto à comunidade, com quem se pretende debater e refletir sobre a realidade das crianças açorianas bem como sobre as respostas existentes para as diferentes necessidades.

Antes da conferência, os deputados do Grupo Parlamentar do PS/Açores, com assento na Comissão de Assuntos Sociais em conjunto com as deputadas eleitas pela ilha do Faial, vão visitar algumas instituições locais que trabalham com crianças, nomeadamente O Castelinho, a Santa Casa da Misericórdia da Horta e a APADIF.

Pág. 7 de 58