Tribuna das Ilhas

Maria José

Maria José

MiratecArts lança novo festival na Capital do Turismo Rural

Em comemoração dos cinco anos de programação nos Açores, a MiratecArts apresenta cinco novos projetos, durante este ano. O próximo é um festival que arranca no dia do trabalhador e que chega a todas as freguesias do concelho de São Roque do Pico: VISITARTE - O Festival de Artes em Casas Rurais, de 1 a 4 de Maio 2017.
 
Venha visitar empreendimentos turísticos na Capital do Turismo Rural, São Roque do Pico e seja presenteado com arte e artistas da nossa terra, na visita a cada unidade participante. Deixe-se surpreender pelas belezas locais.  

"Esta é uma oportunidade única de visitar lindos locais na nossa ilha, conhecer empreendimentos construídos com muito carinho e ainda desfrutarem de cultura artística em formato de performance" diz Terry Costa, o diretor artístico da MiratecArts. "Com este projeto, a associação também pretende destacar artistas locais e fortalecer as oportunidades que nos levam do tradicional ao contemporâneo, em lugares únicos de apresentação, incentivando criação inovadora."
 
Entre os artistas confirmados inclui-se Zilda Machado, Sofia Sousa, Half Step Down, Prozac Camel, o duo Canarinho, a Casa da Música da Candelária e ainda participação da Escola Regional de Artesanato de Santo Amaro, entre outros.
 
Residentes e visitantes são convidados a aventurarem-se num roteiro planeado para quatro dias e descobrirem oito propriedades. Visite www.mirateca.com para o calendário de eventos.  
 
 
---  --- 
 
VISITARTE, um projeto MiratecArts com São Roque do Pico - Capital do Turismo Rural e empreendimentos turísticos.

Segunda, 1 de Maio
15h Abertura no Centro de Interpretação da Paisagem da Cultura da Vinha da Ilha do Pico - Lajido, Santa Luzia
16h Baco's Corner - Lajido
17h30 Alto da Bonança - Ilha do Pico, Açores - Santa Luzia
19h Villa 4 Seasons - São Roque

Terça, 2 de Maio
19h Quinta da Ribeira da Urze - Prainha de Cima
20h30 Adega da Varanda Alta . Alojamento Turístico - Santo Amaro

Quarta, 3 de Maio
19h Casa do Paim - Santo António
20h30 Aldeia das Adegas - São Roque

Quinta, 4 de Maio
19h Adegas do Pico - Prainha

 

O Governo dos Açores, através da Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo, adjudicou hoje a revisão do Plano de Ordenamento Turístico da Região Autónoma dos Açores (POTRAA), à empresa Simbiente Açores – Engenharia e Gestão Ambiental, LDA, num valor de cerca de 100 mil euros e com um prazo de execução de oito meses.

O POTRAA define, em termos globais, a estratégia de desenvolvimento sustentável do setor do turismo, através de um modelo territorial fundamentado nos esforços e iniciativas necessários da administração pública, regional e local, assim como da sociedade civil da Região e demais agentes económicos e estabelece, em concreto, os produtos turísticos estratégicos para cada ilha.

Perante o desenvolvimento e desempenho do Turismo dos Açores, resultante da conjuntura internacional e nacional, a revisão deste instrumento surge no sentido de se obter um adequado grau de alinhamento entre as grandes tendências internacionais, a realidade económica e social dos principais mercados emissores de turistas para os Açores e aquela que é hoje a situação do setor do turismo na Região e o seu contributo para o desenvolvimento e geração de riqueza para os residentes.

A revisão do POTRAA deve receber um contributo válido e consistente do Plano Estratégico e de Marketing, dentro do atual paradigma da procura e oferta do turismo Regional, na medida em que este acautela as diversas perspetivas, nomeadamente: as tendências internacionais do turismo, o comportamento e hábitos de consumo dos mercados emissores efetivos, a opinião das instituições públicas da região, dos agentes económicos e da comunidade e o desenvolvimento de uma estratégia que se centra no território, ambiente, sociedade, economia e cultura.

Os objetivos a atingir são, principalmente, a redefinição e organização do destino Açores ao nível do turismo; o melhoramento da qualidade de oferta turística regional; a contribuição para o incremento da procura turística da Região; a distribuição mais equitativa dos fluxos turísticos pelas nove Ilhas e ao longo do ano; a preservação dos patrimónios natural e cultural; a identificação das zonas adstritas às diferentes atividades e à localização de novos empreendimentos turísticos em cada ilha, bem como a prevenção da degradação do destino, através duma política de turismo sustentável.

 

Miguel Guimarães/David Abecasis em 8º lugar  na 1ª Prova de Apuramento Nacional da Classe Snipe

A dupla de atletas do Clube Naval da Horta (CNH), Miguel Guimarães/David Abecasis, ficou na 8.ª posição naquela que foi a 1ª Prova de Apuramento Nacional da Classe Snipe, e que decorreu sábado e domingo (dias 22 e 23), em Cascais. 

Num universo de 21 participantes, estes velejadores da Classe Snipe competiram em 6 regatas. 

De acordo com uma nota informativa enviada às redações “os compromissos de trabalho de Miguel Guimarães impediram esta equipa do CNH de participar nas 2 últimas regatas de domingo.”

O próximo desafio será a 2ª Prova de Apuramento Nacional, em Lagos, no fim-de-semana de 13 e 14 de Maio. 

 

O eurodeputado Ricardo Serrão Santos recebeu, este sábado, numa cerimónia realizada no Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz, o prémio Excellens Mare 2017.

Os Prémios Excellens Mare, organizados pela consultora internacional PWC, são um contributo de referência, em Portugal e no Mundo, para o reconhecimento da excelência e do mérito nas atividades do Mar. O júri justificou a atribuição da mais alta distinção a Ricardo Serrão Santos pelo papel fundamental que o eurodeputado tem assumido no estabelecimento de uma visão integrada sustentável e transversal para os assuntos do mar. Destacaram ainda “a sua vasta experiência em matérias de conhecimento e de mar que também foram reconhecidas pela Academia de Ciências de Lisboa através da sua admissão como membro correspondente e pela Academia de Marinha através da concessão da afiliação como membro emérito”. Consideraram ainda que “a forma abnegada como defende o meio ambiente marinho nos Açores, no seu País, na Europa e no Mundo também lhe dá a qualidade de ser um Embaixador da Natureza”.

Numa pequena intervenção de agradecimento Serrão Santos começou por referir-se à simbologia da bonita escultura associada ao prémio, como representando a força da onda e o gesto da mão que apela à responsabilidade sobre os oceanos. Disse ainda que "a abordagem do impacto humano sobre os oceanos não se conforma com as nossas fronteiras políticas. O Oceano é um recurso partilhado e a sua governação merece e exige diplomacia cientificamente informada, onde Portugal, nação oceânica, deve empenhar o melhor que tem da sua diplomacia e da sua ciência".

A cerimónia contou com a actuação da Banda da Armada, que estreou a obra “Azul Vivaz”, da autoria do compositor Lino Guerreiro, especialmente escrita para a ocasião e que foi efusivamente aplaudida por uma audiência de cerca de 400 pessoas.

O Governo dos Açores, através da Secretária Regional da Energia, Ambiente e Turismo, adjudicou em sequência de um concurso público, a "EMPREITADA DE EXECUÇÃO DA CASA DOS VULCÕES, NA ILHA DO PICO", à empresa MARQUES, S.A., com um valor base de cerca de um milhão e seiscentos e quarenta e cinco mil euros e um prazo de execução de quinze meses.

A Casa dos Vulcões é um projeto do gabinete SAMI Arquitectos, a construir em plena Paisagem Protegida da Cultura da Vinha da Ilha do Pico, que promove a recuperação do património edificado do núcleo do Lajido de Santa Luzia, uma vez que será executada com base nas ruínas de dois armazéns tradicionais, e visa, com base em critérios científicos e adaptado ao turismo de preservação, proporcionar uma maior divulgação do património geológico dos Açores e de toda a sua geodiversidade, presente em vulcões, grutas e outras paisagens vulcânicas.

Esta infraestrutura constituirá o ponto de partida para a exploração e conhecimento desse património geológico, com a respetiva exposição permanente, idealizada pela empresa Aula do Risco, a ter por base um conjunto de módulos que contam a história dos vulcões dos Açores e do Mundo, com destaque para a Cápsula Sensorial, constituída por um domo geodésico representando um veículo destinado a realizar viagens imaginárias ao centro da Terra e onde serão efetuadas projeções audiovisuais sobre o poder dos vulcões, e para o Simulador de Sismos, que permite simular, com grande realismo, sismos já ocorridos- uma experiência que será acompanhada de imagens e sons.

A Casa dos Vulcões contempla, ainda, uma área educativa, denominada Cantinhos dos Vulcões, constituindo-se este espaço não apenas um centro de interpretação orientado para os turistas e público em geral, mas também um espaço de conhecimento e de aprendizagem dirigido aos mais novos, onde serão desenvolvidas práticas cognitivas específicas, incluindo uma oficina de desenho, modelação e impressão em 3D.

Trata-se de mais um investimento do Governo dos Açores que pretende destacar a importância do nosso património natural e assegurar a sua projeção num contexto de gestão sustentável.

 

Pág. 5 de 476