Imprimir esta página
AUTÁRQUICAS 2017 - CDU apresenta candidatos à Câmara e à Assembleia Municipal TI
21
julho

AUTÁRQUICAS 2017 - CDU apresenta candidatos à Câmara e à Assembleia Municipal

Escrito por  João Paulo pereira
Publicado em Política

 

A CDU apresentou no passado dia 13 de julho, no Largo Duque D`Avila e Bolama, os candidatos à Câmara e Assembleia Municipal da Horta.A lista para a Câmara Municipal será encabeçada por Paula Decq Mota, professora, de 38 anos e para a Assembleia Municipal a CDU foi indicado o nome de José Decq Mota.

Na apresentação dos candidatos tomou a palavra o Coordenador Regional do PCP nos Açores, Vítor Silva, saudando quer a 1.ª candidata à Câmara Municipal da Horta Paula Decq Mota, quer o 1.º candidato pela CDU à Assembleia Municipal da Horta José Decq Mota.
Segundo Vitor Silva os objetivos da CDU nestas eleições autárquicas passam, em primeiro lugar, “pelo reforço e o alargamento das suas posições nos órgãos do poder local”.  De seguida, salientou a ideia de que estas eleições são muito mais abrangentes, pois “estamos a eleger representantes para os órgãos do poder local, que é a forma de governação mais próxima das pessoas”, pois é nesta instância que se dá “a primeira resposta, é aqui que é fundamental assegurar que as preocupações, os anseios e as necessidades das pessoas tenham uma resposta cabal”.
Entende, assim, que “é fundamental a presença de uma força como a CDU, uma força que se preocupa com as pessoas, uma força que não perde uma oportunidade para apresentar propostas concretas que possam beneficiar as pessoas”.
Vitor Silva não deixou, porém, de referir a forma como a CDU vê estas eleições, salientando que “têm tido uma presença e um contributo muito concreto”, conseguindo, por vezes, “alterar o paradigma politico, quer ao nivel regional, quer ao nivel nacional.”
Prosseguiu, reafirmando que a candidatura que é apresentada tem o apoio incondicional do partido e do coordenador e “de centenas de mulheres e homens do Faial que se revêem nessa candidatura e que vão participar nesse projeto no sentido de alterar algum marasmo em que a Câmara Municipal da Horta caiu”.
Por sua vez, Jose Decq Mota começou por definir alguns pontos que marcam a candidatura que agora apresenta, quer quanto aos seus objetivos, à sua presença, quer quanto ás razões da sua ação e à convição da importância da mesma.
Perante os presentes, não deixou de mencionar o facto de na cidade da Horta os “periodos que a CDU Faial conseguiu maior influência social e politica e conseguiu por essa influência maior representação nos órgãos institucionais, nomeadamente na Câmara e na Assembleia Municipal foram periodos mais equilibrados e foram periodos em que foi mais fácil resolver alguns problemas desta ilha que pareciam insolúveis”.
Prosseguiu, destacando que o periodo em que o Faial foi sendo “desatarrachado um pouco” coincidiu com o aumento da “influência social da CDU”. Neste contexto pediu aos Faialenses que dêem mais força politica à CDU para que representando-os nos órgãos para que forem eleitos poder defendê-los com maior eficácia.
José Decq Mota não deixou passar este momento sem salientar o trabalho equilibrador que realizou, conjuntamente com outros deputados municipais, ao longo do anterior mandato na Assembleia Municipal, e que “impediu que alguns exageros se acentuassem e que alguns caminhos errados se trilhassem”.
Por último, reafirmou a necessidade da CDU ter mais força na ilha, “pois é bom para o Faial e por isso apresenta candidaturas renovadas, com gente nova, mas aproveitando os que já vêem de trás”. 
Na sua intervenção, Paula Decq Mota começou por realçar a escolha do local para a apresentação da sua candidatura, afirmando que “estamos diante do local onde se tomam as decisões que interessam à ilha do Faial e que são da competência da Câmara e da Assembleia Municipal”.
A candidata comunista apresentou, de seguida, as razões que a levaram aceitar este desafio: desde logo, “o direito dos eleitores à diversidade de escolha na altura da decisão”, considerando importante “haver alternativas, válidas e sérias” que “representam pontos de vista e visões diferentes sobre o desenvolvimento do nosso concelho”.
A segunda razão apresentada por Paula Decq Mota para avançar com a candidatura ao Municipio prende-se com a “convição de que o Faial ficou sempre a ganhar quando a CDU teve uma presença forte na nossa ilha”.
Salientou,de seguida, que basta recuar no tempo para verificar que “os periodos de maior influência eleitoral e institucional da CDU coincidiram sempre com uma forte expressão organizada da vontade popular que levou a importantes conquistas para o desenvolvimento da nossa ilha”, destacando, nesse capitulo, a nova Escola Secundária e a Fábrica da CALF.
Por último, a terceira razão invocada prende-se “com o facto de sentir que não podia deixar de dar o meu contributo, enquanto cidadã e militante partidária para o debate sobre o Faial”.
Paula Decq Mota continuou na sua alocução referindo que este debate acontece num momento relevante em que, “por um lado, uma comunidade local que parece reencontrar o caminho para uma nova dinâmica social, cultural e económica” e “por outro lado, um modelo de desenvolvimento regional que parece contrariar esse movimento ascendente, fechando-lhe portas e não o deixando expandir-se”.
Continuando o seu discurso, a candidata não deixou de salientar que a sua candidatura se apresenta com a determinação de “denunciar as injustiças e as artimanhas politicas” e com a convição de “convocar todas as energias para construir a força coletiva de uma ilha”.
Pretende, nas suas palavras, “uma gestão autárquica que promova um efetivo envolvimento e uma forte participação da comunidade” olhando para as necessidades reais das pessoas, pois “são as pessoas e a sua vontade coletiva que verdadeiramente determinam a administração do bem público”.
A candidata da CDU à Câmara Municipal da Horta terminou o seu discurso invocando a sua experiência autárquica enquanto tesoureira da Junta de Freguesia da Matriz nos últimos quatro anos como fator determinante para a sua decisão de encabeçar esta candidatura da CDU.
Em 2013, o PS venceu as eleições à Câmara Municipal da Horta, elegendo quatro mandatos, contra três da coligação PSD/CDS/PPM. A CDU obteve apenas 5,4% dos votos nas eleições para a câmara, mas à Assembleia Municipal conquistou 8,77% dos votos, elegendo dois deputados, contra 11 do PS e oito da coligação PSD/CDS/PPM. 
Lido 241 vezes
Classifique este item
(0 votos)
Login para post comentários