A Exposição sobre o Centenário do Partido Comunista Português vai estar na Casa Manuel de Arriaga

0
12

Comissão de Ilha do PCP Faial

A partir da próxima quinta-feira, dia 6 de janeiro, a sala de exposições da Casa Manuel de Arriaga recebe a Exposição sobre o Centenário do Partido Comunista Português. Este certame, que tem percorrido todo o país, estará patente até ao dia 30 de janeiro, passando depois para outros espaços expositivos da Região.

A Exposição do Centenário enquadra-se no conjunto das iniciativas de comemoração dos 100 anos do Partido Comunista Português, e incide não só na história do próprio Partido, com todas as suas vicissitudes, mas também na vida e luta dos trabalhadores, dos camponeses, dos pescadores, dos
intelectuais, dos jovens e dos estudantes e das mulheres, que marcaram todos os períodos da vida nacional, desde a Resistência à Revolução de Abril e até aos nossos dias.

Nascido por vontade dos trabalhadores portugueses, e como corolário da sua luta, do seu
amadurecimento social e político, ao princípio frágil, tateando e experimentando novas formas de intervenção e de organização, o PCP cedo foi confrontado com a ilegalização após o golpe militar de 28 de maio de 1926, a que se seguiu a instauração do fascismo em Portugal, que o forçou a atuar na mais severa clandestinidade até 1974.

Nesta Exposição está, sem dúvida, a história de um Partido construído a pulso, com o sofrimento e o sangue de muitos dos seus melhores, da Catarina, do Alex, do Militão, Dias Coelho, José Moreira e de muitos outros heróis caídos na luta que esta obra não esquece, e a quem presta homenagem, bem como às centenas e centenas de quadros, homens e mulheres, que se formaram nas condições de clandestinidade e deram o melhor de si próprios.

Ao longo destes 100 anos, o PCP viveu tempos de grandes combates, grandes desafios e
empolgantes empreendimentos, mas também de grandes perigos e ameaças, num processo que não foi suave e regular, mas acidentado, de avanços e recuos, que conheceu os horrores e a tragédia da guerra e do fascismo, bem como o momento luminoso de 25 de Abril, que permitiu um enorme salto qualitativo nas condições de vida do povo português e profundas transformações em todos os domínios da vida coletiva.

Através da história deste Partido, é a história de todo um País o que esta exposição permite
percorrer.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO