Capacitação das organizações de produtores é fundamental para valorização de produtos da pesca, afirma Diretor Regional

0
39
blank
DR/GACs

A Secretaria Regional do Mar, Ciência e Tecnologia, através da Direção Regional das Pescas, está a implementar um conjunto de medidas com vista a capacitar as organizações de produtores do setor da pesca, tendo como um dos principais objetivos a valorização do atum dos Açores.

Neste sentido, o Diretor Regional das Pescas e as direções da Federação das Pescas dos Açores e da Associação de Produtores de Atum e Similares dos Açores – APASA realizaram vários encontros de trabalho com organizações de produtores (OP) nacionais de grande projeção, nomeadamente com a Vianapesca e a ArtesanalPesca.

O Diretor Regional das Pescas salientou que “foram apresentados projetos e discutidas formas” daquelas organizações de produtores “colaborarem com os Açores, particularmente no desenvolvimento e na projeção da APASA enquanto organização de produtores”.

“A capacitação das organizações de produtores regionais é fundamental para valorização de produtos da pesca”, afirmou Luís Rodrigues.

“Depois do sucesso dos planos de gestão para a valorização do goraz e dos ‘beryx’ (imperadores e alfonsins), o Governo dos Açores considera que é importante investir na valorização do atum”, frisou.

O Diretor Regional lembrou que “75% da frota açoriana está licenciada para a pesca de salto e vara, arte utilizada na pesca dos tunídeos” nos Açores, pelo que “a aposta na valorização do atum vai contribuir para aumentar os rendimentos do setor”.

Luís Rodrigues afirmou que a pesca de tunídeos nos Açores “é responsável pela transação em lota de mais de 15 milhões de euros, que representa cerca de 40% do volume de pescado total transacionado em lota em 2018”.

Para o Diretor Regional, as organizações de produtores “desempenham um papel essencial na execução da política comum das pescas e na organização comum dos mercados”, acrescentando, neste sentido, que foram criados instrumentos de apoio para os planos de produção e comercialização destas entidades e que deveriam ser aproveitados.

“A preparação e a execução de planos de produção e de comercialização das organizações de produtores recebem apoios do FEAMP, através de uma contribuição que pode representar até 3% do valor dos produtos colocados anualmente no mercado”, referiu.

O Diretor Regional salientou ainda que “as organizações de produtores podem tomar medidas para promover os produtos da pesca através de sistemas de certificação, de selos de qualidade ou de denominações geográficas, entre outros”.

A Vianapesca, sediada em Viana do Castelo e uma das maiores cooperativas de pesca em Portugal, desenvolve atividade comercial no apoio à colocação no mercado do pescado da sua frota e na transformação de algum desse pescado para a indústria conserveira, enquanto a ArtesanalPesca fornece várias marcas, grandes superfícies e exporta os seus produtos para mais de uma dezena de países e pretende valorizar os produtos capturados por pescadores artesanais de Sesimbra.