COFACO – Trabalhadores manifestaram-se à porta do parlamento açoriano

0
34
DR

DR

Por ocasião do plenário de abril, as portas da Assembleia Legislativa voltaram a ser palco de mais uma manifestação de ex-trabalhadores da COFACO. Foram cerca de cinquenta aqueles que se manifestaram a exigir majorações dos subsídios de desemprego.

Meia centena de ex-trabalhadores da fábrica de conservas da COFACO, da ilha do Pico, manifestaram-se na quinta-feira da passada semana em frente à Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores para exigir a majoração dos subsídios de desemprego, tendo sido recebidos por deputados de todos os partidos com assento parlamentar.
De acordo com Sérgio Gonçalves, representante do Sindicato de Alimentação, Bebidas e Similares, Comércio, Escritórios e Serviços dos Açores “fazia todo o sentido as majorações no tempo e no valor para estes funcionários porque vão ter uma perca total, ao fim de seis meses de subsídios de desemprego, de aproximadamente 40% do seu vencimento, o que é um rombo na economia da ilha”.
“O objetivo desta manifestação é fazer ver ao Governo Regional que poderá ser adaptada a majoração do tempo e do valor do subsídio de desemprego a esta situação criada com os trabalhadores da Cofaco Pico, como foi ajustado aos trabalhadores da base das Lajes, na ilha Terceira”, adiantou, ainda, Sérgio Gonçalves.
Até 05 de maio, cerca de 160 funcionários da fábrica de conservas, situada no concelho da Madalena, na ilha do Pico, deverão deixar de ter vínculo laboral com a Cofaco, enquanto uma nova empresa, gerida pelo mesmo grupo financeiro, irá construir uma nova unidade fabril, no mesmo local, cujo projeto já foi entregue na Câmara Municipal da Madalena.
Para aquele dirigente sindical, o encerramento da atual unidade terá um “grande impacto económico” na ilha, salientando que “estamos a tentar fazer com que o Governo também sinta um pouco o nosso desespero, porque vamos perder poder de compra. Há famílias onde lá está um casal, que ficarão em situação bastante precária”.
Para Victor Silva, coordenador regional do PCP/Açores, é preciso “passar da teoria a prática, e traduzir estas palavras bonitas em iniciativas concretas, para beneficiar as pessoas”, lembrando que foi o PCP quem apresentou na Assembleia da República, uma proposta concreta para que sejam majorados os subsídios de desemprego e os abonos de famílias dos trabalhadores despedimentos pela COFACO na ilha do Pico.

 

Governo dos Açores acompanha a situação dos trabalhadores da COFACO

Segundo o Secretário Regional do Mar, Ciência e Tecnologia “tudo tem sido feito para minorar a situação dos trabalhadores”, havendo “da parte do Governo dos Açores um acompanhamento, desde o início, dos trabalhadores” da COFACO, tendo sido criada uma equipa “para acompanhar a situação” e apoiá-los “quer ao nível da formação”, na aquisição e no reforço de competências para a sua atividade profissional, “quer ao nível do pagamento da creche dos filhos dos funcionários da COFACO”.
O Governo dos Açores, através da Direção Regional do Emprego e Qualificação Profissional, criou um plano de intervenção para a formação dos trabalhadores da COFACO do Pico, em parceria com a Escola de Formação Profissional desta ilha.
Também no período que irá decorrer até à abertura da nova unidade fabril na ilha do Pico, o pagamento da creche dos filhos dos funcionários da conserveira será assegurado.
Esta medida abrange 32 crianças e conta com a parceria da Santa Casa da Misericórdia da Madalena, mantendo um regime de gratuitidade de que os trabalhadores já beneficiavam”
“Eu tenho a garantia da empresa de que a COFACO vai construir a nova unidade fabril”, assegurou Gui Menezes, em conversa com os trabalhadores, no exterior do parlamento regional.
O governante adiantou que o projeto da nova fábrica “já foi avaliado” e que o Governo solicitou informações complementares à empresa, com vista à aprovação de apoios comunitários, ao passo que a Câmara Municipal da Madalena do Pico, já está a apreciar o projeto para que possa aprovar os respetivos licenciamentos.
A COFACO submeteu o projeto para a construção da nova unidade fabril, num montante global de cerca de 6,7 milhões de euros, que irá substituir a atual fábrica, a fundos comunitários no âmbito de uma portaria do FEAMP – Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, para apoios a investimentos na área da transformação de pescado.
Dos 65% de cofinanciamento público para o projeto, 25% serão verbas do Orçamento da Região e 75% do FEAMP.
O Secretário Regional recordou ainda que teve de ser criada uma nova empresa “devido aos critérios de apoio da Comissão Europeia”, referindo que o projeto prevê a demolição do edifício existente e a construção de um novo no mesmo local, daí a necessidade encerrar a fábrica.

 

Duarte Freitas quer majoração de apoios a trabalhadoras da COFACO

O presidente do PSD/Açores, perante a meia centena de ex-trabalhadoras da fábrica da conserveira COFACO, que se manifestaram junto ao parlamento dos Açores exigindo a majoração do subsídio de desemprego, entendeu ser necessário concretizar a majoração de apoios sociais às ex-trabalhadoras da fábrica da COFACO no Pico, prevista no Plano de Ação apresentado pelo partido e aprovado por unanimidade no parlamento.
“Fizemos aprovar um Plano de Ação que prevê a majoração do subsídio de desemprego. É uma matéria que o governo regional tem de resolver, porque foi aprovada no parlamento regional. Espero que isso seja efetivamente cumprido”, disse Duarte Freitas.
Duarte Freitas acrescentou que, enquanto picoense, é sua “ambição” ver a nova fábrica em funcionamento e as trabalhadoras integradas na futura unidade fabril da COFACO na ilha.