PAN/Faial – Hugo Rombeiro deixa o partido, mas continua na Assembleia Municipal como independente

0
108
TI

TI

O deputado municipal eleito pelo Partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) na sequência da última Assembleia do partido realizada na Horta, pediu a sua desfiliação do partido.
Num comunicado enviado às redações, Hugo Rombeiro refere que já informou a presidente da Assembleia Municipal (AM), que pretende continuar a exercer o seu mandato como independente.

Na última Assembleia do PAN/Açores, que decorreu na Horta, na passada semana, o deputado municipal Hugo Rombeiro, perdeu a confiança política no partido, acabando por pedir a sua desfiliação do PAN.
Após ter sido contactado pelo Tribuna das Ilhas, Hugo Rombeiro emitiu um comunicado de imprensa.
No documento o deputado municipal começa por referir que há semelhança dos deputados parlamentares, “cujo regime se pode dizer constituir a matriz dos demais regimes dos deputados de outras assembleias políticas”, os deputados municipais “exercem livremente o seu mandato, sem se encontrarem dependentes e, menos ainda, estritamente vinculados a ordens ou instruções (mandatos) dos órgãos (designadamente locais) dos respetivos partidos”.
Neste sentido, o deputado municipal revela que no decorrer do seu mandato tem existido uma “pressão muito forte” sobre si, denunciando que não lhe foi dado “o livre exercício”, “não se cumprindo”, desta forma o que está previsto na lei.
“Num processo longamente amadurecido”, o deputado municipal Hugo Rombeiro adianta que já manifestou junto da presidente da Assembleia Municipal, “que deseja continuar a exercer o seu mandato como independente”.
“Tenho plena consciência que colaborei em tudo com o partido que representei durante estes meses, seguindo ideologicamente o mesmo rumo, mas infelizmente não existiu o retorno desejado”, esclarece.
A este respeito, Rombeiro, adianta que “após ter sido aconselhado por membros da lista que foi sufragada”, considerou “por bem tomar esta decisão” a fim de “continuar a desempenhar o trabalho que têm vindo a desenvolver na ilha do Faial.
Para o deputado Municipal “infelizmente, na sociedade em que vivemos, o tempo que temos para o bem comum é escasso e quando esse mesmo tempo é desperdiçado em jogos de bastidores políticos, é o Faial e os Faialenses que ficam prejudicados”, defendeu, reforçando que “foi nesse sentido que decidimos concentrar-nos exclusivamente nos problemas que abrangem o nosso município, e a nossa ilha, tentando mostrar a quem nos governa que é necessário um outro rumo para o desenvolvimento do Faial”.
Hugo Rombeiro, lembrou que, nos últimos seis meses, e apenas com um deputado na Assembleia Municipal, tem sido possível atingir “os objetivos do programa eleitoral”.
A este respeito o deputado municipal destacou a situação dos baldios da caldeira que já foram “visitados pelo executivo camarário que veio mostrar abertura para a sensibilização do grave problema que é o abandono dos animais”, o orçamento atribuído para a finalização e a legalização do canil municipal “assegurando a construção de uma enfermaria”, assim como a aquisição de um triturador para os resíduos orgânicos, para os plásticos e o aumento do número de contentores.
“É verdade que não foi o deputado Municipal que executou todas estas medidas, porque não é o deputado que as tem que executar, mas podem chamar de coincidências que até podem existir, mas durante anos tudo isto nunca avançou até que esta candidatura puxasse por todos estes projetos, para no final podermos ter uma ilha mais sustentável, menos dependente do exterior, com resultados económicos para todos nós”, entende.
Rombeiro acredita que “água mole em pedra dura tanto bate até que fura” por isso garante que nos próximos quatro anos vai continuar a “debater, pedir, exigir, até que as coisas aconteçam”.
“Este projeto é um projeto de quatro anos. E vamos trabalhar durante estes quatro anos levando sempre à Assembleia Municipal uma visão política diferente dos últimos vinte anos, tendo sempre em prioridade o bem-estar de todos os seres vivos da nossa ilha”, salienta no documento.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO