Psicologia nos açores

0
64
DR

Nota de Abertura

Ordem dos Psicólogos Portugueses assina protocolo com a Secretaria Regional da Saúde

Foi assinado no passado dia 6 de fevereiro o protocolo com a Secretaria Regional de Saúde no âmbito do Programa Nacional para a Prevenção da Depressão.
A depressão é o terceiro problema de saúde mais frequente nas consultas dos Cuidados de Saúde Primários, correspondendo a 7,6% do total de doentes atendidos. Portugal é também um dos países onde a depressão assume maior gravidade e em que o intervalo de tempo entre o aparecimento dos sintomas e o início do tratamento é mais elevado: apenas 37% das pessoas com depressão maior teve uma consulta médica no primeiro ano da doença.
A depressão está associada a níveis de sofrimento significativo, a diferentes graus de incapacidade e, também, à utilização excessiva dos serviços de saúde. Em termos gerais, a depressão é mais debilitante do que a maior parte das doenças físicas e constitui um fator de risco para todas as grandes causas de morte relacionadas com essas doenças, nomeadamente, a um aumento da mortalidade em 50%.
O programa vai arrancar com um projeto piloto em três centros de saúde, em Stª. Maria, S. Jorge e Terceira, onde serão criadas equipas multidisciplinares e será dada formação aos profissionais de saúde. 

 

Vida+ – Estudo de caracterização dos comportamentos aditivos na Região Autónoma dos Açores

A adolescência apresenta-se-nos cheia de vitalidade e energia, assumindo-se, indubitavelmente, como a fase do ciclo de vida onde a saúde está “ao rubro”. No entanto, debaixo desta aparente invencibilidade, esta fase é também caraterizada por enormes desafios socio-emocionais, de cuja solução adequada a (ainda) criança depende para alcançar a adultez plena.
Auxiliados por um cérebro em plena formação, os adolescentes vão treinando a sua autonomia e, consequentemente, a sua capacidade de tomada de decisão, num universo de desafios e hostilidades, sucessos e impossibilidades. Ao longo deste percurso, poucas vezes linear, a maioria das ameaças à saúde são originadas por problemas comportamentais evitáveis, sendo sobejamente conhecida a tendência dos jovens para se envolverem em comportamentos de risco, como sejam, o uso de substâncias psicoativas e a condução perigosa, sendo estes comportamentos, segundo a Organização Mundial de Saúde (2017) os maiores responsáveis pela morbilidade e mortalidade na adolescência.
Secundando esta ideia, os dados recentes sobre o consumo de álcool e substâncias psicoativas, disponibilizados, este mês, pelo SICAD, voltam a dar conta da situação preocupante dos Açores, constituindo-se esta Região como uma das que apresenta prevalências mais elevadas ao nível do consumo de qualquer droga, sublinhando, o mesmo relatório, o aumento do consumo de cocaína e ecstasy entre os jovens dos 15-34 anos.
Embora estes comportamentos aditivos sejam visíveis em todas as idades, sabemos que a sua prevalência é maior na adolescência, sendo que os casos de consumos excessivos observados nas faixas etárias mais velhas têm inicio, na sua maioria, durante estes anos de juventude. Este facto realça a extrema necessidade de se atuar, de forma preventiva, na diminuição da adesão dos jovens a este tipo de comportamentos.
O projeto Vida+, da responsabilidade da Universidade dos Açores, surge a pedido da Secretaria Regional da Saúde – Direção Regional da Prevenção e Combate às Dependências (DRPCD), e tem como objetivos gerais a caraterização dos comportamentos aditivos na RAA, bem como a identificação dos fatores de risco e de proteção subjacentes a estes mesmos comportamentos.
Sendo os fatores de risco definidos como variáveis especificas que tornam os indivíduos mais vulneráveis a adotar comportamentos aditivos e os fatores de proteção como recursos individuais ou sociais que neutralizam o impacto do risco e atuam como um “escudo”, torna-se fácil compreender que qualquer intervenção adequada ao nível dos comportamentos aditivos exige um conhecimento pormenorizado da realidade da população sobre a qual se pretende intervir.
O Vida+ propõe-se conhecer a realidade/especificidade do Arquipélago dos Açores, englobando, na sua metodologia de ação, e numa primeira fase, a realização de entrevistas de grupo, em todas as nove ilhas, as quais visam recolher a opinião dos açorianos acerca dos comportamentos de adição que consideram caraterizar o local onde vivem, recorrendo aos informadores mais credenciados: a população de cada ilha com e sem historial de consumo de substâncias psicoativas.
É esta a fase em que se encontra o estudo, sendo que a colaboração de todos os que aleatoriamente forem selecionados para participar se mostra de vital importância para a consecução dos objectivos propostos.
Os dados recolhidos nesta fase sustentarão uma segunda recolha de dados, com foco na população adolescente, onde se pretendem incluir adolescentes entre os 14 e os 21 anos.
Com os resultados almejados por este estudo, pretendem-se consubstanciar as medidas a desenvolver no Plano de Ação de Intervenção em Comportamentos Aditivos e Dependências da DRPCD.

 

ACONTECEU

Atividades da DRA

A 6 de fevereiro de 2018, a Ordem dos Psicólogos Portugueses (OPP) e a Secretaria Regional da Saúde assinaram um protocolo de cooperação para a implementação do Programa Nacional da OPP para a Prevenção da Depres-são, da autoria do psicólogo João Salgado. O programa, que procura promover a deteção mais atempada da depressão e, por consequente, uma intervenção mais eficaz, arrancará em março em três centros de saúde dos Açores – Angra do Heroísmo, Velas e Vila do Porto.
Na contínua persecução dos seus objetivos, a DRA continua a promover cursos de formação profissional que vão ao encontro das necessidades dos seus membros. Desta feita, a 23 de fevereiro, iniciou-se o curso b-learning “Rastreio, Avaliação e Tratamento da Depressão em Matched Stepped Care”. As sessões presenciais decorrerão em Ponta Delgada.

 

A ACONTECER

Desafios…

A exposição “A Depressão na Objetiva de um Fotógrafo” está de volta. A iniciativa que, desta feita, conta com a colaboração da Câmara Municipal de Lagoa, decorreu no âmbito da campanha Depressão: Vamos Agir e reforçou a parceria de sucesso entre a Associação de Fotógrafos Amadores dos Açores e a DRA. O objetivo consistiu em sensibilizar o público para a importância da saúde mental e combater o estigma associado à depressão. A inauguração acontecerá a 9 de março, às 18h30, no Convento dos Franciscanos.
Encontram-se abertas as inscrições para a Formação Inicial Psicólogo Júnior, cujas sessões presenciais decorrerão na Terceira. O curso, que visa dotar os formandos de conhecimentos e competências chave para a efetiva inserção no mercado de trabalho, terá início a 05 de março.
Por seu turno, a 8 de março iniciar-se-á a curso “Consultoria em Contexto Escolar: Fundamentos para a Prática Profissional”. As sessões presenciais acontecerão em São Miguel e Terceira.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO