Que Plano e Orçamento tem o Município para 2020?

0
35
TI
TI

Seguindo a praxe que tem implementado há uns anos a esta parte, e antes dos referidos documentos serem discutidos e votados em reunião camarária, o Presidente da Câmara Municipal da Horta apresentou publicamente as linhas mestras do Plano e Orçamento para o próximo ano.
E logo aqui deu a resposta à questão acima colocada.
O executivo camarário socialista irá continuar a fazer no ano de 2020 exatamente aquilo que prometeu no seu Plano de 2019. Será um Plano de continuidade, que prossegue a linha de orientação traçada desde o início deste segundo mandato autárquico de José Leonardo Silva.
No entanto, este Plano e Orçamento, tal como foi apresentado, suscita algumas interrogações. Desde logo, no que diz respeito ao empreendedorismo e, mais concretamente, à manutenção da isenção de IMI, IMT no Parque Empresarial, será que tais medidas serão suficientes para atrair novas empresas que contribuam para a dinamização do tecido empresarial local?
No capítulo do Turismo, pilar estruturante para o desenvolvimento económico do Faial, não vislumbrámos nesta apresentação pública a preparação, criação de uma única medida/evento relevante que, na época baixa, consiga contrariar a nossa sazonalidade turística. Lembremo-nos a este propósito do debate há poucos dias levado a cabo pela Associação de Turismo Sustentável do Faial com os empresários do setor do turismo, os quais se queixavam precisamente da necessidade e importância de se encontrarem formas de cativar o turista a visitar a ilha durante aquela época.
Como boas noticias tivemos a indicação que, finalmente, irá avançar a requalificação das zonas balneares, uma das promessas deste executivo socialista, isto apesar de ter ficado por perceber quais serão as zonas balneares da ilha alvo de intervenção camarária, uma vez que tal competência se encontra legalmente atribuída não ao município, mas a uma entidade governamental.
Também ficámos a saber que no próximo ano o Forte da Espalamaca será sujeito a obras de requalificação, e que a mobilidade elétrica, muito em voga nas sociedades modernas, será implementada em rede já em 2020 na ilha do Faial.
Uma das grandes bandeiras do executivo socialista no mandato em curso – devolução de IRS às famílias e bonificação dos agregados com dependentes – merece ainda destaque neste Plano e Orçamento para 2020. No entanto, nestes documentos não é evidenciado qual tem sido o impacto real que estas medidas têm tido junto dos faialenses, ou seja, que valor concreto o município já devolveu aos agregados familiares residentes na ilha.
Seria, pois, importante saber este montante para analisar da pertinência ou não desta iniciativa. Por último, refira-se a implementação de uma linha de atendimento aos sinistrados do Furacão Lorenzo, com vista a agilizar procedimentos burocráticos.
Sem dúvida uma iniciativa relevante para que os cidadãos faialenses se sintam apoiados pelas entidades públicas, locais e regionais.
Nestes moldes, o Plano e Orçamento para 2020 foi aprovado pelo executivo de maioria socialista na Câmara Municipal, com o voto contra dos vereadores da oposição. Certamente que José Leonardo Silva não contaria com esta tomada de posição social-democrata, uma vez que os documentos, segundo o próprio esclareceu, incorporam contributos dos vários partidos políticos e dos parceiros sociais, e disso mesmo deu conta à comunicação social.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO