Reavaliação da Geoaçores – Geoparque Mundial da Unesco

0
24
TI

TI

A GEOAÇORES – Associação Geoparque Açores foi constituída por escritura pública em 2010 e desde então mantém a sua sede na ilha do Faial. É uma associação de direito privado sem fins lucrativos, que representa a estrutura de gestão do Geoparque Açores, sendo responsável pela dinamização desta estrutura na Região. Neste sentido, compete à Associação GEOAÇORES desenvolver acções de geoconservação, educação para o desenvolvimento sustentável, promoção do turismo e estímulo à investigação, formação e promoção do conhecimento científico em áreas temáticas relacionadas com as geociências e o ambiente no território do Geoparque Açores. Os sócios-fundadores da Geoaçores são os 4 Grupos de Ação Local existentes na Região, nomeadamente a Adeliaçor, Grater, ARDE e ASDEPR, e o Governo Regional dos Açores, através da DRA.
Com o lema “9 ilhas – 1 Geoparque”, a Geoaçores apresenta-se como o primeiro território verdadeiramente arquipelágico englobando todas as 9 ilhas do Arquipélago, integrando a Rede Europeia e Global de Geoparques desde Março de 2013. Com a aprovação de um novo Programa Internacional de Geociência e Geoparques da UNESCO, em novembro de 2015, o Geoparque Açores passou a ser um território UNESCO. Juntamente com os sítios de Património Mundial, a rede Ramsar, e as Reservas da Biosfera, os Geoparques Globais da UNESCO formam um leque completo de ferramentas de desenvolvimento sustentável, tornando os Açores uma das poucas regiões do Mundo, que em simultâneo, ostentam todas estas designações, contribuindo desta forma para uma maior visibilidade da Região em todo o mundo, convidando os visitantes a descobrir o Património Geológico de excelência existente no arquipélago dos Açores.
O Geoparque Açores tem como objetivos a geoconservação, educação e sensibilização ambiental para as ciências da Terra e o desenvolvimento local baseado no geoturismo.
Após o seu primeiro ciclo de 4 anos como Geoparque Global e Europeu, tem vindo a desenvolver um conjunto de ações visando aumentar a sua visibilidade, disponibilizando ainda aos seus visitantes melhor informação sobre os valores naturais e culturais da Região. Foi elaborado um vídeo promocional e uma série de programas sobre todas as ilhas dos Açores, que se encontra em exibição de momento na RTP Açores; dispõe de uma página quinzenal no jornal Açoriano Oriental designada “GeoDiversidades” com informação sobre o geoparque Açores e sobre os Geoparques Mundiais da UNESCO; dispõe de um programa de rádio na RDP Açores intitulado “Geoparque em 5 minutos”; foram criados postes informativos e painéis interpretativos panorâmicos em todas as ilhas, com informação sobre os geossítios e locais de interesse geológico e organizado o 14º Congresso Europeu de Geoparques, onde se discutiu os “Geoparques como estratégia de turismo sustentável para o desenvolvimento”, contando com a presença de cerca de 400 participantes, de cerca de 35 países da Europa e China, Japão, Austrália, Brasil, México Colômbia, Canadá e EUA.
No âmbito do seu primeiro processo de reavaliação como Geoparque Global da Unesco, em julho de 2017, foram visitadas, por dois avaliadores, quatro ilhas, São Miguel, Terceira, Pico e Faial, nas quais foi possível visitar alguns dos mais importantes geosítios da região, as infraestruturas e sedes da Geoaçores, os centros interpretativos criados pelo Governo Regional, bem como alguns parceiros locais com apresentação dos geoprodutos produzidos, com ou sob a influência dos geositios.
O resultado dessa visita foi agora conhecido, e traduziu-se na obtenção de um “cartão verde”, que garante a manutenção do Geparque Açores, na Rede Europeia e Global de Geoparques, com a Chancela da Unesco até 2021.
Esta decisão, da UNESCO, vem reconhecer o trabalho desenvolvido pelo Geoparque Açores e por todos os seus colaboradores e parceiros nos últimos 4 anos, contribuindo assim para a geoconservação, valorização e promoção da geodiversidade dos Açores, nomeadamente pelo desenvolvimento de um geoturismo sustentável e respeitador dos valores geoambientais da Região Autónoma dos Açores.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO