Andreia Cardoso afirma que é fundamental dar atenção específica às necessidades das crianças

0
3
DR

A Secretária Regional da Solidariedade Social apelou hoje, em Angra do Heroísmo, ao envolvimento da comunidade na promoção dos direitos da criança, sobretudo das mais vulneráveis, por se “encontrarem em situações de risco ou de perigo”.

“Na nossa sociedade, a maior parte das crianças encontram nos seus contextos familiares e sociais a proteção e os cuidados de que necessitam para se desenvolverem adequadamente. Contudo, as que vivem em contextos familiares vulneráveis exigem  uma atenção específica, que corresponda às necessidades das crianças, adotando um papel mais responsável e de defesa do bem-estar e segurança das mesmas”, afirmou Andreia Cardoso.

A responsável pela pasta da Solidariedade Social que falava numa sessão de informação e sensibilização sobre os direitos da criança dirigida à comunidade em geral, promovida pelo Comissariado dos Açores para Infância, destacou o papel da família como “agente de socialização primária”, sendo o eixo fundamental relativamente à proteção de crianças, na medida em que responde às necessidades físicas, psicoafetivas e sociais dos seus filhos.

“Normalmente, os pais prestam os cuidados adequados aos filhos, proporcionando-lhes formação integral e oferecendo-lhes relações seguras a partir das quais a criança pode desenvolver uma visão positiva de si mesma e das pessoas que a rodeiam, sendo esse tipo de experiências peças fundamentais para enfrentar futuramente o mundo com confiança competência e cidadania”, referiu.

Estas ações de informação e sensibilização estão a ser realizadas nos 19 concelhos dos Açores e visam proporcionar aos diferentes agentes com intervenção junto das crianças e jovens e, muito particularmente, aos próprios e às suas famílias, uma oportunidade de reflexão e debate sobre a forma como a sua comunidade se mobiliza para garantir às crianças e jovens a prestação de cuidados de qualidade, que promovam o desenvolvimento do seu máximo potencial.

Nas sessões são abordados temas como a intervenção das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens na promoção dos direitos das crianças e na prevenção da negligência, a intervenção das equipas de saúde escolar na promoção dos direitos das crianças e dos jovens, os riscos associados à utilização da Internet, assim como a importância da supervisão e do acompanhamento parental e a adoção e comportamentos de autoproteção por parte de jovens e de adultos.

Os eventos incluem uma componente destinada às crianças e jovens do 2.º e do 3.º ciclo, que decorreu durante a tarde, onde a Secretária Regional também esteve presente, e outra aberta à comunidade, contando com a participação das Comissões de Proteção de Crianças e Jovens, das Equipas de Saúde Escolar e do Embaixador Português para a Segurança da Internet.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO