Andreia Cardoso quer perceber “como é que os números do RSI estão a baixar se o desemprego está a aumentar nos Açores”

0
62
blank

Andreia Cardoso alertou esta quarta-feira para a necessidade de se fazer uma análise “mais aprofundada” sobre os motivos que estão a levar a uma “diminuição dos números do Rendimento Social de Inserção (RSI) em simultâneo com o aumento do desemprego que se tem verificado na nossa Região, em contraciclo com o país”.

A vice presidente do Grupo Parlamentar do PS após intervir na Conferência “Combater a Pobreza: Retratos e Soluções”, organizada pelo Conselho Económico e Social dos Açores, em Ponta Delgada.

A deputada socialista entende que é necessário “compreender os motivos que levam à redução dos números do RSI na Região”, esperando que não se trate apenas de “cortar apoios para a estatística ou para agradar a determinado ou determinados partidos políticos”.

“No final de 2020 os Açores tinham a mais baixa taxa de desemprego do país pouco mais de um ano depois, de acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), os Açores têm a mais alta taxa de desemprego do país o que, obviamente, é um péssimo sinal no combate à pobreza”.

Andreia Cardoso elencou “o caminho que vinha a ser trilhado até 2020” e “os resultados obtidos” pela Estratégia Regional de Combate à Pobreza e Exclusão Social, criada e implementada pelo anterior Governo Regional, estranhando que “apesar deste Governo Regional ter inscrito uma revisão desta estratégia no seu programa de governo, não conhecermos, até hoje, qualquer desenvolvimento sobre esta matéria”.

“Aliás, desde 2020 perdemos linha de visão sobre os resultados efetivos do combate à pobreza nos Açores, porque deixou de haver relatórios periódicos de avaliação dos resultados, pelo menos publicamente divulgados e disponíveis”, lamentou a deputada do PS.

Para Andreia Cardoso, esta “falta de informação oficial e de análise de resultados só dificulta o envolvimento de todos os agentes da sociedade no combate à pobreza, sejam eles económicos, sociais ou políticos”.

Admitindo que a luta contra a pobreza é “um combate para as próximas décadas”, a deputada do PS/Açores defendeu que “devem ser tomadas decisões e adotadas medidas estruturais, que contribuam efetivamente para quebrar o ciclo de pobreza”, em vez de “paliativos ou de meras ajudas assistencialistas, que ajudam no momento, mas que não resolvem os problemas dos Açorianos”.

Andreia Cardoso alertou, ainda, para o “extraordinário e histórico aumento do preço dos combustíveis que estamos a atravessar” e para a “necessidade de ir mais além, por exemplo, na redução máxima do Imposto sobre Produtos Petrolíferos (ISP) na Região”, algo que o Governo Regional tem competências para fazer.

“O preço dos combustíveis não influi apenas nas nossas deslocações diárias. Aumenta os preços dos bens alimentares básicos e de todos os outros, reduz rendimento disponível nas famílias e pode ser proibitivo para quem tenha de se deslocar para ir trabalhar, com ordenados base baixos e muito baixos. Também por aqui deve ser feito um combate à pobreza, mas não é a isso que estamos a assistir, nos Açores”, alertou a deputada do PS, Andreia Cardoso.