ASSISTENTES TÉCNICOS DA RIAC EM GREVE DE UMA SEMANA PELO DIREITO À NEGOCIAÇÃO COLETIVA E À VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL DAS SUAS FUNÇÕES

0
9
DR
DR

Os trabalhadores assistentes técnicos da RIAC iniciam na segunda-feira, dia 12 de outubro, até sexta-feira, dia 16 de outubro, uma greve de uma semana de protesto e luta pelo direito à negociação coletiva em torno da valorização profissional das suas funções na Rede Integrada de Apoio ao Cidadão.
Esta sua luta, que já se arrasta há algum tempo, iniciou-se com a reivindicação da criação de uma carreira específica em virtude da exigência, complexidade, abrangência e responsabilidade das inúmeras funções cometidas a estes trabalhadores.
Refugiando-se inicialmente no argumento da falta de competência da Região, a VPGRA acabou por assumir finalmente a sua falta de vontade política na satisfação desta reivindicação pelo receio do precedente que ela poderia criar junto de outras carreiras. Na reunião em que tal foi dito, o VPGRA afirmou, contudo, que autorizaria a mobilidade dos trabalhadores para ouros serviços que lho pedissem. Desde então, mais de 26 trabalhadores qualificados acabaram por sair da RIAC, degradando-o, tendo muitos deles sido substituídos por trabalhadores de programas ocupacionais.
Com a recente publicação da carreira dos trabalhadores dos Matadores da Região, em que os mesmos viram, e bem, reconhecidas pelo Governo Regional a natureza específica das suas funções através da criação de um suplemento remuneratório, os trabalhadores da RIAC através do SINTAP apresentaram uma nova proposta em que manifestavam a sua disponibilidade de negociar uma valorização das suas funções por esta via, sem que até ao momento presente tenham obtido qualquer resposta.
Neste contexto, os trabalhadores da RIAC resolveram avançar com a presente greve com o objetivo de protestar e lutar pelo seu direito à negociação coletiva em torno da nova proposta de valorização profissional das suas funções à semelhança daquilo que o Governo Regional fez com os seus colegas dos Matadores da Região.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO