Bolsonaro diz que pode falar com Trump sobre tarifas de exportação de metais do Brasil

0
4
DR
O Presidente do Brasil diz que tem um canal aberto com Donald Trump e que poderá conversar com o Presidente dos Estados Unidos sobre o aumento, hoje anunciado, da tarifa de importação de metais brasileiros.

“Vou falar com o [ministro da Economia Paulo] Guedes hoje. Alumínio? Vou falar com o Paulo Guedes agora. Se for o caso, ligo para o [Donald] Trump, eu tenho um canal aberto com ele. Converso com o Paulo Guedes e depois dou uma resposta, para não ter que recuar, tá ok?”, disse Jair Bolsonaro à saída do Palácio da Alvorada, sua residência oficial em Brasília.

Donald Trump anunciou hoje que vai restabelecer as tarifas sobre as importações de aço e alumínio provenientes do Brasil e da Argentina.

O Governo norte-americano invoca a desvalorização das moedas destes dois países, e os danos provocados em vários setores produtivos dos Estados Unidos da América (EUA), para restaurar as tarifas alfandegárias sobre aqueles dois produtos, que tinham sido removidas no âmbito de prévias negociações comerciais bilaterais.

“O Brasil e a Argentina desvalorizaram enormemente as suas moedas, o que não é bom para os nossos agricultores”, escreveu Trump na sua conta pessoal da rede social Twitter.

Os dois países sul-americanos atravessam crises económicas e financeiras que levaram os seus bancos centrais a sucessivas desvalorizações de moeda, face ao dólar.

O Presidente norte-americano também defendeu que a Reserva Federal (banco central dos EUA) deve intervir para que outros países não se aproveitem do momento em que o dólar está forte.

“Essa situação está a tornar as exportações justas de produtos dos nossos fabricantes e agricultores”, acrescentou Donald Trump, deixando um conselho ao banco central: “Taxas mais baixas!”.

Não é a primeira vez que o Presidente dos EUA critica os responsáveis da Reserva Federal, apelando para que baixem ainda mais as taxas de juro, apesar do banco central ter descido os índices de referência monetária por três vezes, este ano.

O Presidente dos EUA tem mostrado preocupação com a capacidade de exportação das empresas norte-americanas, especialmente no setor agrícola, que têm sido prejudicadas com as taxas retaliatórias resultantes do conflito comercial com a China, que dura há quase dois anos.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO