Centro de Processamento de Resíduos – Resiaçores assume gestão na ilha do Faial

0
226
DR

DR

Foi concessionado à empresa Resiaçores o Centro de Processamento Resíduos da ilha do Faial, tendo esta assumido a sua gestão no passado dia 9 de abril de 2018.

Após ter ganho em concurso internacional a concessão do Centro de Processamento de Resíduos (CPRVO) da Ilha do Faial, a empresa Resiaçores iniciou a sua atividade no passado dia 9 de abril de 2018.
Neste âmbito, quando questionada por este jornal acerca da atualização das taxas cobradas aos resíduos orgânicos (resíduos provenientes de talhos e similares), pois passou-se de um valor de € 74,00 por tonelada, para 500,00€ a tonelada, a empresa Resiaçores esclareceu “que os preços praticados pelos CPRVO são regulados por decreto e aprovados pela entidade reguladora”.
Acrescentou, ainda, a empresa que “desconhece os preços que os produtores de SPOA pagavam no passado”, mas lembrou que de acordo com a legislação é aqueles que compete (e não aos Municípios) “o encaminhamento dessa tipologia de subprodutos bem como assumir os custos da sua eliminação”.
Neste sentido, apresentou de forma simples os custos suportados na receção, contentorização refrigerada, transporte e eliminação por valorização energética dos SPOA (Sub Produtos de Origem Animal) e que respeitam, sobretudo, ao investimento realizado, aos custos com a mão-de-obra, aos transportes e o tratamento na TERAMB, os custos despendidos com a energia e a manutenção dos contentores.
Considera a empresa, tendo em conta todos os custos referidos, que o valor que o Centro de Proces-samento de Resíduos deveria cobrar por kg dos SPOA “seria 0.65 cêntimos/Kg, isto é 650 euros/Ton, e não os 0.50 cêntimos/ Kg, 500 euros/ Ton que atualmente a Resiaçores está a cobrar”.
Por último, esclareceu a empresa que a Resiaçores não faz recolha de Resíduos, cabendo essa função aos produtores de SPOA (Sub Produtos de Origem Animal).

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO