Complôt – Coisas e Afins aposta em artigos personalizados

0
12

Complôt – Coisas e Afins dedica-se essencialmente à produção de artigos personalizados, que são delicadamente produzidos por Liliana Couto, natural de Viseu e há três anos residir na ilha do Faial.

A sua especialidade é através da confeção transformar as solicitações das suas clientes em artigos únicos, de cores vivas onde não faltam os detalhes.

Liliana Couto cresceu no universo da costura, os seus pais tinham uma loja de confeção. “Antigamente usava-se muito fazer a confeção da própria roupa, então eles tinham costureiras que trabalhavam para eles e confecionavam as roupas”, começa por explicar a costureira.
Autodidata, a jovem empresária saía da escola ia ter com os seus pais à loja, pegava em pequenos retalhos e sentava-se à máquina de costura. Os seus primeiros trabalhos foram os saiotes para os vestidos de noiva que eram confecionados no estabecimento dos seus pais. “Comecei por fazer os saiotes porque era o mais simples e foi assim que aprendi a costurar à máquina”, revela.
Liliana confessa que sempre gostou de fazer artesanato. Quando era pequena recorda-se de estar sempre a fazer coisas, nomeadamente, colares e pulseiras. “Sempre tive um bocadinho de jeito e de gosto para as artes”, reconhece.
Formou-se em Design Comunicação e Técnicas Gráficas, na Universidade de Portalegre, “mas nunca foi um curso que gostasse muito”, revela Liliana. Na altura em que teve na universidade afastou-se mais da costura e da confeção. Mais tarde, já casada, o nascimento da sua filha, despertou-lhe o desejo de voltar a costurar. “Com a universidade parei e acabei por esquecer um bocadinho estas coisas e só quando tive a minha primeira filha e fiquei mais por casa é que comecei outra vez a pegar nestas coisas da costura e fazer coisinhas para ela”.
Por outro lado, a profissão do marido Pastor Evangélico, “obriga-nos a andar sempre para trás e para a frente consoante a vontade de Deus e somos chamados” e o casal decidiu que seria mais fácil se a Liliana ficasse em casa a tratar dos filhos. 
Esta opção de vida e “apesar das crianças darem muito trabalho”, Liliana assume que precisava de se “distrair um bocadinho” e “foi aí que surgiu a Complôt – Coisas e Afins”, revela.
A empresária adianta que “mais ou menos um ano antes” de vir para Faial”, já produzia alguns artigos para vender. “Fazia carteiras, porta moedas e coisas assim”, agora apesar de ainda produzir estes artigos está mais centrada nos artigos para bebé  pois “acaba por ser o que tem mais saída”, salienta.
A costureira adianta que “a Complôt surgiu há cerca de quatro anos” e adapta-se perfeitamente ao seu estilo de vida uma vez as vendas “são feitas mais por internet e nas redes sociais”. Assim afirma, “é um trabalho que posso levar para onde for. Onde quer que esteja posso sempre fazer”.
 

Leia a reportagem completa na nossa edição impressa.
Subscreva a nossa assinatura.
Para mais informações TRIBUNADASILHAS@GMAIL.COM

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO