COVID – 19 – 161 enfermeiros da Região respondem afirmativamente ao apelo da Ordem dos Enfermeiros

0
114

Foram 161 os enfermeiros da Região que responderam ao apelo feito no passado dia 16 de março pela Secção Regional da Região Autónoma dos Açores da Ordem dos Enfermeiros (SRRAA OE), para dentro da sua disponibilidade integrarem uma “bolsa”, com o objetivo de, em caso de necessidade sejam alocados em instituições de saúde com vista a ajudar as mesmas na resposta das necessidades devido ao Covid19.

De acordo com a Ordem, mais uma vez os Enfermeiros da RAA, de diferentes instituições de saúde e de várias ilhas “deram um passo em frente, tendo-se disponibilizado para integrar essa “bolsa”.

Segundo o Vogal do Conselho Diretivo Regional da SRRAA da OE, a lista já foi enviada à Secretaria Regional da Saúde, que ficará com a responsabilidade de gerir estes recursos, bem como a sua alocação.

Na nota enviada às redações, Fernando Felgueiras destacou o “espírito de ajuda e empenho dos enfermeiros da RAA”, aproveitando este momento para elogiar estes profissionais de saúde, que agora se encontram na linha da frente, no combate à pandemia do COVID-19.

“A SRRAA da OE não pode deixar de dirigir uma palavra de elevada consideração e reconhecimento pelo esforço e dedicação que os enfermeiros colocam todos os dias no exercício da sua profissão na Região, bem como enaltecer o espírito de ajuda demonstrado a este apelo, abdicando de mais algumas horas do seu merecido descanso para poderem estar ao serviço da população açoriana neste momento complicado que vivemos”, afirmou o Vogal do Conselho Diretivo Regional da SRRAA da OE, Fernando Felgueiras.

Ordem dos Enfermeiros na Região reivindica teste obrigatório e periódico dos profissionais de saúde

Numa nota enviada às redações no final da semana passada, a SRRAA OE demonstra a sua preocupação para com os profissionais de saúde e solicita ao Governo Regional que sejam efetuados testes obrigatórios e periódicos a estes agentes de saúde pública.

“A SRRAA OE acompanha com preocupação a situação vivenciada no País, e em particular nos serviços de saúde da Região, sendo que a nível nacional observa-se um número crescente de profissionais afetados, fazendo perigar a resposta que se quer adequada, atempada e articulada, em especial na fase que nos encontramos”, alerta a OE na Região, salientando que “conscientes do especial dever de colaboração a que se encontram vinculados todos os Enfermeiros, não pode a Ordem dos Enfermeiros deixar de apelar à compreensão da tutela”.

Neste contexto, a OE lembra que a Organização Mundial de Saúde recomenda que “se massifiquem os testes realizados, tornando urgente testar, a começar pelos profissionais de saúde especialmente expostos, uma vez que o conhecimento da situação epidemiológica destes face à COVID-19 é essencial para garantir a adequação, a qualidade e a segurança dos cuidados de saúde prestados, permitindo uma mais correta e segura afetação de recursos e gestão de cuidados”, observa, reforçando ainda que tendo ainda em conta a Orientação nº 013/2020, de 21.03.2020 apelou “à tutela o sentido de se iniciar urgentemente a realização de testes, em tempo útil, a todas as equipas que neste momento asseguram cuidados, a realização de testes periódicos a todos os profissionais, em particular aqueles que se encontram em áreas mais críticas da prestação, como sejam os lares, centros de diagnóstico pneumológico, serviços de urgência, serviços de infeciologia e de cuidados intensivos e áreas dedicadas COVID-19”, sugerindo que de forma a garantir “a eficácia” da decisão, que “os testes periódicos sejam realizados no momento em que as equipas de profissionais fazem a rotação de descanso, devendo o teste ser feito no dia imediatamente anterior ao do seu regresso ao serviço, o que permitiria reduzir o risco de transmissão a outros profissionais e doentes”, explica.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO