Covid-19: Mais de 25 mil casos confirmados. Há 989 óbitos a registar em Portugal

0
5
DR
Os dados foram divulgados no boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde esta quinta-feira, 30 de abril.
Portugal regista hoje 989 mortos associados à covid-19, mais 16 do que na quarta-feira, e 25.045 infetados (mais 540), indica o boletim epidemiológico divulgado pela Direção Geral da Saúde.

Comparando com os dados de quarta-feira, em que se registavam 973 mortos, hoje constatou-se um aumento de óbitos de 1,6%. Das mortes registadas, 668 tinham mais de 80 anos, 195 tinham entre os 70 e os 79 anos, 87 entre os 60 e 69 anos, 29 entre 50 e 59, e dez entre os 40 e os 49.

Relativamente ao número de casos confirmados de infeção pelo novo coronavírus (25.045), os dados da DGS revelam que há mais 540 casos do que na quarta-feira, representando uma subida de 2,2%, sendo de referir que desde dia 25 de abril que os números eram abaixo dos 500 infetados/dia.

Do total das pessoas infetadas, a grande maioria está a recuperar em casa, totalizando 21.569 (mais 487).

De referir que 14.815 são mulheres e 10.230 homens.

A faixa etária mais afetada pela doença é a dos 50 aos 59 anos (4.253), seguida da faixa dos 40 aos 49 anos (4.208) e das pessoas com mais de 80 anos (3.918 casos). Há ainda 3.488 doentes com idades entre 30 e 39 anos, 2.919 entre os 60 e 69 anos, 2.892 entre os 20 e os 29 anos e 2.217 com idades entre 70 e 79 anos. A DGS regista ainda 402 casos de crianças até aos nove anos e 748 de jovens com idades entre os 10 e os 19 anos.

O número de recuperações subiu de 1470 para 1519.

No total registaram-se até hoje 247.685 casos suspeitos, dos quais 218.846 não confirmados.

Há ainda 3.794 casos a aguardar resultado laboratorial e 29.467 casos em contacto de vigilância.

Registam-se atualmente 968 casos de pessoas internadas, 172 das quais nos cuidados intensivos. Regista-se assim uma diminuição do n.º de internados (menos 12) e um aumento do n.º de internados na UCI (mais 3).

Os principais sintomas são febre (36%), tosse (50%), dificuldade respiratória (15%), cefaleia (23%), dores musculares (25%) e fraqueza generalizada (19%).

A região mais afetada é a do Norte com 15.090 casos confirmados e 566 óbitos, a região de Lisboa e Vale do Tejo com 5815 casos e 199 óbitos; a região Centro com 3389 casos confirmados e 198 óbitos, o Algarve com 331 casos e 13 óbitos; Alentejo com 207 casos e um óbito a registar. Nas regiões autónomas, registam-se 127 casos nos Açores e 12 óbitos, e 86 casos na Madeira sem óbitos a registar.

Entre os casos importados, destacam-se os provenientes de Espanha (171), França (137), Reino Unido (88), dos Emirados Árabes Unidos (48), da Suíça (45), de Andorra (32), Brasil (30), de Itália (29) e dos EUA (24).

A pandemia de covid-19 já infetou em todo o mundo quase 3,2 milhões de pessoas e provocou mais de 227 mil mortos.

Cerca de 908 mil doentes foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, na cidade chinesa de Wuhan.

Novo coronavírus SARS-CoV-2

A Covid-19, causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, é uma infeção respiratória aguda que pode desencadear uma pneumonia.

A maioria das pessoas infetadas apresentam sintomas de infeção respiratória aguda ligeiros a moderados, sendo eles febre (com temperaturas superiores a 37,5ºC), tosse e dificuldade respiratória (falta de ar).

Em casos mais graves pode causar pneumonia grave com insuficiência respiratória aguda, falência renal e de outros órgãos, e eventual morte. Contudo, a maioria dos casos recupera sem sequelas. A doença pode durar até cinco semanas.

Considera-se atualmente uma pessoa curada quando apresentar dois testes diagnósticos consecutivos negativos. Os testes são realizados com intervalos de 2 a 4 dias, até haver resultados negativos. A duração depende de cada doente, do seu sistema imunitário e de haver ou não doenças crónicas associadas, que alteram o nível de risco.

A covid-19 transmite-se por contacto próximo com pessoas infetadas pelo vírus, ou superfícies e objetos contaminados.

Quando tossimos ou espirramos libertamos gotículas pelo nariz ou boca que podem atingir diretamente a boca, nariz e olhos de quem estiver próximo. Estas gotículas podem depositar-se nos objetos ou superfícies que rodeiam a pessoa infetada. Por sua vez, outras pessoas podem infetar-se ao tocar nestes objetos ou superfícies e depois tocar nos olhos, nariz ou boca com as mãos.

Estima-se que o período de incubação da doença (tempo decorrido desde a exposição ao vírus até ao aparecimento de sintomas) seja entre 2 e 14 dias. A transmissão por pessoas assintomáticas (sem sintomas) ainda está a ser investigada.

Vários laboratórios no mundo procuram atualmente uma vacina ou tratamento para a covid-19, sendo que atualmente o tratamento para a infeção é dirigido aos sinais e sintomas que os doentes apresentam.

Onde posso consultar informação oficial?

A DGS criou para o efeito vários sites onde concentra toda a informação atualizada e onde pode acompanhar a evolução da infeção em Portugal e no mundo. Pode ainda consultar as medidas de segurança recomendadas e esclarecer dúvidas sobre a doença.

Quem suspeitar estar infetado ou tiver sintomas em Portugal – que incluem febre, dores no corpo e cansaço – deve contactar a linha SNS24 através do número 808 24 24 24 para ser direcionado pelos profissionais de saúde. Não se dirija aos serviços de urgência, pede a Direção-Geral da Saúde.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO