Covid-19: Vila Galé reabre mais onze hotéis a nove de junho

0
10
DR
O Vila Galé vai estrear dois hotéis e reabrir nove unidades no dia 09 de junho, que se somam aos cinco que nunca fecharam devido à pandemia da covid-19, anunciou hoje o grupo de hotelaria.
Trata-se do Vila Galé Albacora, Vila Galé Ampalius, Vila Galé Atlântico Praia da Galé, Vila Galé Collection Praia, Vila Galé Lagos, Vila Galé Clube de Campo, Vila Galé Cascais, Vila Galé Ericeira, Vila Galé Collection Douro, refere o grupo em comunicado.

O Vila Galé Serra da Estrela e o Vila Galé Collection Alter Real, as mais recentes unidades do grupo, marcarão nessa data a sua estreia.

Ao todo, o grupo Vila Galé reabre mais onze hotéis, já que o Vila Galé Porto, Vila Galé Coimbra, Vila Galé Ópera (Lisboa), Vila Galé Évora e Vila Galé Santa Cruz (Madeira) “nunca fecharam”, segundo a informação divulgada.

As 16 unidades terão o selo Clean & Safe, atribuído pelo Turismo de Portugal e vão seguir um “plano muito rigoroso de funcionamento” de acordo com as recomendações da Direcção Geral da Saúde (DGS).

Nesse sentido, está previsto o reforço das medidas de limpeza e desinfeção, colocando dispensadores de álcool gel nas diversas áreas sociais dos hotéis, intensificar a higienização e desinfeção das superfícies, áreas de contacto e equipamentos partilhados.

Os serviços em ‘buffet’ vão ser substituídos por propostas à carta e cozinha ao vivo personalizada, as mesas e cadeiras dos restaurantes entre cada utilização serão higienizadas e equipamentos como terminais de pagamento após cada utilização serão desinfetados, lê-se no comunicado.

Entre as medidas, está ainda previsto limpar e desinfetar todos os sistemas de água, ar condicionado e ventilação, com reforço da desinfeção por pulverização antiviral das grelhas de ventilação existentes.

Os hotéis terão “zonas de isolamento adequadas” para casos suspeitos ou confirmados de infeção pelo novo coronavírus, será garantida “a existência de equipamentos de proteção individual”, colocados acrílicos nas receções e os colaboradores serão equipados “com luvas, máscaras e/ou viseiras de proteção”, lê-se no comunicado.

Os colaboradores dos serviços de limpeza vão usar fatos adequados ou batas, serão disponibilizados termómetros para medição voluntária de temperatura para colaboradores e clientes e recomendado a todos os clientes o uso de máscaras nas zonas sociais do hotel e recurso ao álcool gel para desinfeção das mãos.

Está ainda previsto salvaguardar o distanciamento social, através da “limitação da taxa de ocupação de cada hotel”, reduzindo o número de hóspedes alojados e do lançamento de “uma plataforma digital – MyVilaGalé – que permitirá fazer o ‘check in’ e ‘check out’ através do telemóvel”, acrescenta.

Sobre a sinalização das distâncias de segurança, haverá a redução da capacidade máxima de cada elevador, bares e restaurantes, piscinas e salas de reuniões.

O grupo dará formação específica a todas as equipas sobre protocolo interno relativo ao novo coronavírus e precauções de prevenção da covid-19.

A sauna, banho turco e jacuzzi serão suspensos e as atividades para crianças serão feitas maioritariamente no exterior.

A abertura dos restantes hotéis Vila Galé em Portugal está prevista para 01 de julho, com exceção do Vila Galé Douro Vineyards, em processo de ampliação, que deverá voltar a funcionar em 01 de agosto.

Portugal contabiliza 1.175 mortos associados à covid-19 em 28.132 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS) sobre a pandemia.

Relativamente ao dia anterior, há mais 12 mortos (+1,%) e mais 219 casos de infeção (+0,8%).

Das pessoas infetadas, 692 estão hospitalizadas, das quais 103 em unidades de cuidados intensivos, e o número de casos recuperados é de 3.182.

Portugal entrou no dia 03 de maio em situação de calamidade devido à pandemia, depois de três períodos consecutivos em estado de emergência desde 19 de março.

Esta nova fase de combate à covid-19 prevê o confinamento obrigatório para pessoas doentes e em vigilância ativa, o dever geral de recolhimento domiciliário e o uso obrigatório de máscaras ou viseiras em transportes públicos, serviços de atendimento ao público, escolas e estabelecimentos comerciais.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO