Dia Internacional dos Enfermeiros | 12 de MAIO 2020

0
19

A 12 de Maio celebra-se o Dia Internacional do Enfermeiro, para Pedro Soares, Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Enfermeiros nos Açores, “é uma data que se revela duplamente importante, quer para uma tomada de consciência da atual situação da profissão, como para o reconhecimento da necessidade emergente de uma maior valorização profissional.” 

Para além disto, a Organização Mundial da Saúde anunciou que 2020 seria o Ano Internacional dos Enfermeiros, longe de prever todos os acontecimentos a nível da saúde pública que estão a caracterizar este ano a nível mundial. “Não deixa de ser curioso, no Ano Internacional dos Enfermeiros, o enorme desafio que lhes é colocado pela frente: o combate a uma pandemia”, referiu Pedro Soares. 

O desinteresse e desinvestimento nestes profissionais, nomeadamente nas condições de segurança no seu dia-a-dia, nos equipamentos de trabalho, no seu reposicionamento a nível de carreira com um real reconhecimento remuneratório, assim como na atribuição da denominação de profissão de risco, são algumas das temáticas defendidas como essenciais a serem discutidas. Para Pedro Soares, “mais do que palmas que são sem sombra de dúvidas bem vindas e que agradecemos, precisamos de cuidar dos enfermeiros, é preciso que se entenda que hoje em dia um Enfermeiro com 20 anos de carreira está na posição inicial da carreira com a mesma remuneração que um enfermeiro que termina o curso agora, isto não se entende.” 

Nos Açores, a Secção Regional da Ordem dos Enfermeiros marca este dia com a organização de um webinário com o título “Os Enfermeiros e os desafios para a saúde”, assim como intervenções na sua maioria via meios de comunicação alternativos tendo em conta a situação atual na Região. Fica ainda marcado este dia com afixação de outdoors em algumas vias de circulação públicas e o lançamento de um vídeo promocional sobre o trabalho dos enfermeiros. 

Para Pedro Soares, “tomemos consciência do profissionalismo dos Enfermeiros Açorianos, da entrega, coragem e sacrifício pessoal. São e serão um exemplo inesquecível na vida das comunidades do nosso Arquipélago.” 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO