Dias 15 e 16 de janeiro – Faial recebe sessões Públicas de Participação Alargada do RIS3 Açores

0
34

Numa organização da Direção Regional da Ciência e Tecnologia, vão decorrer no Faial duas sessões Públicas de Participação Alargada no âmbito do processo de avaliação e revisão da RIS3 Açores.
As sessões terão lugar nos próximos dias 15 e 16 de janeiro na Biblioteca Pública da Horta, das 14h às 17h30 e das 09h às 12h30, destinam-se à Academia e a Empresas, Governo e Sociedade, respetivamente e inserem-se no calendário das ações a realizar em 2020.
A primeira iniciativa do RIS3 tem início na Terceira no dia 14 de janeiro e a última no dia 20 em São Miguel e têm por objetivo dar continuidade à discussão já iniciada em torno da redefinição das prioridades estratégicas da RIS3, bem como apresentar, uma síntese dos resultados do processo de avaliação em curso.
O RIS3 enquadra-se no quadro da Estratégia Europa 2020, que se centra na promoção da inovação como forma de encarar os desafios enfrentados pela Europa nos próximos anos.
Neste sentido o RIS3, para além de constituir uma referência das políticas públicas e dos investimentos estruturais regionais, constitui a base dos investimentos estruturais europeus, como parte da contribuição da Política Europeia de Coesão para a consecução dos grandes desígnios de política que a União Europeia sintetizou na designada “Estratégia Europa 2020”, através da articulação do crescimento inteligente, baseado no conhecimento e na inovação, com o crescimento sustentável através de uma economia mais eficiente, competitiva e ecológica, e com o crescimento inclusivo que leve a uma sociedade com elevados níveis de emprego e coesão social.
Esta estratégia, também designada pelo acrónimo RIS3 (Research and Innovation Strategies for Smart Specialisation), traduz-se em focar o investimento em investigação e inovação numa seleção de ativos e áreas estratégicas, considerando a sua diferenciação face ao exterior, com potencial para alavancar as vantagens competitivas da Região e o seu posicionamento em cadeias de valor internacional, combinando os diversos instrumentos de financiamento de modo a criar sinergias e melhorar a eficiência.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO