Escola Básica Integrada António José de Ávila – Falta de assistentes operacionais preocupa PCP

0
84
EBI da Horta

Face às várias denúncias e queixas recebidas nos últimos dias sobre a falta de assistentes operacionais a trabalhar na Escola Básica Integrada António José de Ávila, a Representação Parlamentar do PCP questionou o Governo dos Açores sobre as medidas que planeia tomar para resolver esta situação.
Para o PCP trata-se de uma situação “preocupante” e “grave”, uma vez que a situação já levou ao encerramento do prolongamento, afetando cerca de 70 alunos do pré-escolar.

A Representação Parlamentar do PCP entregou, esta semana, na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores um requerimento com vista a obter esclarecimentos por parte do Governo Regional sobre a falta de assistentes operacionais a trabalhar na Escola Básica Integrada António José de Ávila.
Durante os últimos dias o PCP tem recebido várias denúncias e queixas, inclusive sobre o “encerramento, desde o passado dia 7 de outubro e pelo período de uma semana, do prolongamento de horário, afetando 70 alunos do pré-escolar e primeiro ciclo daquela escola”, avança João Corvelo no requerimento entregue a que o Tribuna teve acesso.
O representante do PCP salienta no documento que se trata de uma situação “preocupante” e “grave, que acontece já com o ano letivo a decorrer, não possibilitando aos Encarregados de Educação a procura de alternativas”.
“Num quadro em que um elevado número de funcionários se encontram em situação de baixa por doença, resultado do envelhecimento do quadro de pessoal e do desgaste profissional a que estão sujeitos, é também do nosso conhecimento que os responsáveis da escola se encontram nesta fase à procura de situações de remedeio e que os funcionários no ativo se encontram a trabalhar em situação limite”, alerta o deputado.
Neste contexto, o PCP considera “urgente tomar medidas que possibilitem a sua rápida resolução, sob pena de estar em causa o normal funcionamento da escola, as condições de trabalho dos funcionários, as legítimas expetativas dos encarregados de educação e, acima de tudo, a segurança das crianças que a frequentam”.
Para o deputado, esta situação demonstra ainda que o avanço conseguido no presente ano pelo PCP, com a contratação de 200 assistentes operacionais nas áreas da saúde e da educação se revelou essencial, mas, ainda assim, insuficiente”.
Deste modo, a Representação Parlamentar do PCP solicita, com urgência, ao Governo dos Açores que dê esclarecimentos sobre a falta de funcionários em número suficiente no referido estabelecimento de ensino que permita o seu normal funcionamento, que medidas pensa tomar com vista à resolução desta situação e do problema de desgaste rápido do pessoal não docente.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO