João Castro considera ofensiva a possibilidade de redução da pista do aeroporto da Horta

0
19
DR/PS
DR/PS

O deputado do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República, João Castro, considerou, esta quarta-feira, que uma possível redução da dimensão da pista do Aeroporto da Horta “não é uma solução possível” para o problema, admitindo que tal questão, ao ser levantada pela empresa ANA/VINCI, “chega mesmo a ser ofensivo para as populações e para os sucessivos anos de aspirações sobre esta matéria”.

Para o parlamentar, que interpelava em audição regimental o Presidente da Comissão Executiva da ANA/VINCI, no âmbito do requerimento do PS sobre “a ampliação da pista do Aeroporto da Horta”, a posição assumida no grupo de trabalho, criado para estudar e avaliar a possibilidade de ampliação desta infraestrutura representa, “um desrespeito pelas posições do Governo e da Assembleia da República”, que apontam exatamente para que se efetive a ampliação necessária.

“Ainda muito recentemente a ANA foi recebida em audição pelo Presidente do Governo Regional dos Açores, que, na ocasião, manifestou estar esta empresa cooperante, disponível e preparada para intervir caso fosse solicitada para tal”, relembrou João Castro, para questionar como é que se “coloca, agora, a possibilidade de redução da pista”, inviabilizando, desta forma, a realização de voos extraterritoriais para o continente português.

“A ANA/VINCI não pode continuar a assobiar para o lado neste assunto”, admitiu o Socialista, para defender que “levantar este tipo de hipóteses é não estar empenhada na busca de melhores soluções”.

Na ocasião, João Castro quis ainda saber qual deveria ser, na opinião de Thierry Ligonnière, a posição da empresa face “à aprovação, por parte de Portugal, de um Plano Nacional de Investimentos, que incluí como prioridade a ampliação da pista do Aeroporto da Horta, e que essa ampliação consta de um artigo próprio em sede de Orçamento de Estado”, mas também perante a preparação, por parte da União Europeia, de um novo Quadro Financeiro Plurianual, ao qual referiu ainda os 10 milhões de euros que a empresa concessionária desse aeroporto tem no seu plano de investimentos plurianual para adequar esse aeroporto às regras internacionais da ICAO.

No decurso da audição, João Castro que alertou para a necessidade de se “exigir mais de uma empresa como a ANA/VINCI face às necessidades do Aeroporto da Horta”, solicitou ainda a Thierry Ligonnière, para que “dê instruções para que os representantes da ANA/VINCI não repetirem, nem como possibilidade, a redução da pista do aeroporto da Horta. É ofensivo”.

João Castro registou como positiva a afirmação do Presidente da ANA/VINCI que, durante a audição regimental e pela primeira vez, confirmou avançar para a concretização da ampliação da pista do Aeroporto da Horta, ultrapassadas as condições legais e financeiras.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO