João Vieira: “O desporto feminino não tem a mesma visibilidade que o masculino, e o basquetebol não é exceção”

0
56
blank

João Pedro Vieira nasceu no Faial, onde passou a infância e adolescência. A paixão pelo basquetebol veio desde muito cedo, muito por culpa do avô, que trabalhava na capitania do Porto da Horta e que sempre pertenceu às direções do Fayal Sport Club (FSC). Foi aí que, muito novo, João iniciou a sua atividade desportiva, tendo praticado futebol, atletismo e basquetebol, sendo este último o
desporto que viria a fazer parte do seu dia a dia. A paixão pelo desporto e pelo
basquetebol não ficou só dentro do campo, onde representou vários clubes dos Açores, continente português e Madeira (Fayal Sport, Imortal, Estrelas da Avenida, Atlético de Queluz, Lusitânia, Micaelense, CAB Madeira e C.F. União).

João também seguiu vida profissional na área de desporto, dando aulas de Educação Física, sendo instrutor de fitness e personal trainer e, aquilo que mais o apaixona, treinador de basquetebol. O faialense rumou a outras paragens na procura de melhores condições, com resultados à vista: destaca-se como
treinador principal na conquista do campeonato nacional de basquetebol
feminino e da Super Taça com o CAB Madeira nas épocas de 2002-2003 e 2003-2004; do campeonato nacional de basquetebol feminino com o CAB Madeira nas épocas, 2004-2005, 2013-2014 e 2014-2015; e do campeonato nacional de sub-16 femininos com a Quinta dos Lombos Sub16, na época 2018-2019. Como treinador-adjunto, o destaque vai para a conquista do campeonato nacional espanhol e da Taça do Rei em basquetebol feminino, no Salamanca Perfumerias Avenida, na época 2005-2006. Para além das conquistas coletivas, foi considerado o melhor treinador do ano de escalões de formação na época 2018-2019 e foi treinador-adjunto da seleção portuguesa de Sub20 de 2019 a 2021. Atualmente é selecionador de Lisboa de S16 femininos e um dos diretores e coordenadores dos cursos de treinador de Grau 1 da ENB/FPB e orienta as equipas Sub19 e Sub22 da Quinta dos Lombos, esta última que defrontará o FSC amanhã no pavilhão da Escola Manuel de Arriaga.

O Tribuna das Ilhas aproveitou o regresso do treinador à sua terra natal para
conversar sobre a sua atual equipa, o estado do basquetebol feminino em Portugal e as perspetivas para o jogo de amanhã.

Tribuna das Ilhas (TI) – O que é que o fez aceitar o convite para liderar as equipas jovens do Quinta dos Lombos?
João Pedro Vieira (JPV) – Quando, aos 13 anos, a minha filha mais nova, a Inês Vieira, foi convidada para vir para o CAR Jamor (Centro de Alto Rendimento da Federação Portuguesa de Basquetebol), eu e a minha esposa decidimos que não fazia sentido ela estar só em Lisboa e nós na ilha da Madeira (onde vivi 23 anos) e concorremos para lecionar educação física em Lisboa. Conseguimos ficar na zona de Carcavelos e mudamo-nos para Lisboa. Ora, a minha filha jogava na Quinta dos Lombos e os responsáveis do clube convidaram-me a ajudar na formação de atletas. Aceitei treinar a equipa de S16F, onde jogava a minha filha.
TI – Quais os objetivos para esta época relativamente à equipa Sub-22?
JPV – Esta equipa é formada maioritariamente por atletas que estão comigo desde os 14/15 anos, sendo na sua maioria formada por jovens S19, e o objetivo é proporcionar competição para que, num curto prazo, algumas delas tenham capacidades para integrar a equipa sénior do clube, que joga na Liga Feminina. O ideal é participar na 1ª divisão pelo que o nosso objetivo é tentar subir para essa competição, de forma a que estas atletas tenham condições para evoluir melhor o seu jogo.

Este conteúdo é Exclusivo para Assinantes

Por favor Entre para Desbloquear os conteúdos Premium ou Faça a Sua Assinatura