José Leonardo admitiu que não haverá aumento da pista no curto prazo!!

0
334
TI
TI

O jornal Açoriano Oriental incluiu na sua edição do dia 09 de junho um suplemento, de oito páginas, dedicado à Semana do Mar. Sendo este um evento organizado pela Câmara da Horta, tudo leva a crer que a referida publicação tenha sido elaborada em concordância com o Município.
Este facto parece indiciar uma tentativa por parte dos responsáveis locais de atrair para a nossa maior festa anual habitantes da ilha de São Miguel. Ainda bem.
No entanto, esta iniciativa esbarra numa desigualdade de tratamento que o Município tem dado aos órgãos de comunicação social locais, na medida em que há um ano atrás, propusemos ao Presidente da Câmara da Horta a elaboração de um suplemento semelhante e ficámos sem resposta.
E isto sem esquecer, obviamente, que este jornal para poder beneficiar de apoios públicos tem que se candidatar aos apoios que o Município disponibiliza todos os anos no mês de setembro.
Mas, quem lida com estas questões da publicidade nos jornais, sabe que nada é oferecido, tudo tem um preço, e, no caso concreto, este suplemento certamente acarretou um custo para todos os faialenses que seria importante averiguar.
Tanto mais que, intimamente ou não ligada a esta questão, passados uns dias surgiu naquele mesmo jornal uma entrevista com o Presidente da Câmara Municipal da Horta. Queremos acreditar que se tratou apenas de uma coincidência temporal e nada mais que isso.
Esta entrevista, focada nas obras e nas acessibilidades aéreas e marítimas à ilha, traz consigo uma grande novidade que passou despercebida à opinião pública faialense. José Leonardo admite pela primeira vez que a ampliação da pista poderá não acontecer no curto e médio prazo. Mas já lá vamos.
Desarticuladas, confusas e sem propostas concretas para o Faial, são estes os epítetos que podemos atribuir a muitas das respostas dadas nesta entrevista. Desde logo, nada diz em matéria de demografia para a ilha, não elencando as medidas que implementou ou implementará para aumentar a taxa de natalidade e de atração populacional e empresarial.
Depois, porque não consegue apresentar quaisquer argumentos capazes de justificar a presença e atratividade de novas companhias aéreas a voar para o nosso aeroporto.
E quando diz que quer abrir a marina à cidade e criar núcleos e praças que revitalizem a cidade, elencando o adro das Angústias e o Largo do Infante, esquece-se que tais praças já existem e estão apenas a ser remodeladas.
A meio da entrevista chama a si o lançamento do concurso público para a reabilitação do Quartel do Carmo, quando sabe que tal é decorrência das competências do programa nacional REVIVE.
No entanto, José Leonardo mostra estar alerta não só para o facto de ser necessário assegurar a sustentabilidade deste destino de natureza, por contraposição com um turismo de massas, como também para melhores acessibilidades aéreas à ilha.
Mas, na parte final desta entrevista, aplaudindo a atuação do Município ao mandar fazer um estudo para a ampliação da pista do aeroporto, mesmo sabendo que o seu custo saiu dos bolsos de todos os faialenses e que o mesmo dificilmente será tido em conta pela ANA/VINCI, o Presidente da Câmara Municipal da Horta lança a bomba.
José Leonardo admite que “o aumento da pista do aeroporto poderá não ser para o ano que vem, mas será para o nosso futuro”. É isso que está lá dito, preto no branco.
Mas, então não estava previsto no Orçamento de Estado deste ano o início da ampliação da pista? E agora já nem se iniciará em 2020? E será para o nosso futuro? Para quando? Daqui a 10, 20, 50 anos?
Esta afirmação enferma, pois, de uma preocupante notícia para todos nós, mas sobretudo para os empresários locais, que ansiavam pelo início da ampliação daquela infraestrutura para planear os seus investimentos futuros. Com este anúncio, o Presidente da Câmara Municipal da Horta dá a estocada final nas esperanças dos faialenses em ver avançar uma obra que influenciará o futuro da ilha do Faial.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO