Liga Portuguesa Contra o Cancro – Núcleo Regional dos Açores apela à participação no Peditório Anual

0
30
DR

O Núcleo Regional dos Açores (NRA) no âmbito do peditório nacional da Liga Portuguesa Contra o Cancro (LPCC) que decorre no próximo mês de outubro está a proceder ao recrutamento de voluntários.
O NRALPCC lembra que este peditório é a mais importante fonte de financiamento da instituição, e neste sentido, refere que a participação dos voluntários pode ser feita à medida da disponibilidade de cada um.

No âmbito do Peditório Anual da LPCC a realizar de 31 de outubro a 4 de novembro, a nível nacional, o Núcleo Regional dos Açores (NRA) lançou um apelo para que as pessoas se inscrevam como voluntários.
Numa nota enviada às redações, o NRALPCC avança que a participação na campanha de captação de voluntários “pode ser feita à medida da disponibilidade de cada cidadão, podendo ocorrer durante os cinco dias do Peditório Anual ou somente num período”.
Todos os interessados em ser voluntário(a) pontual devem preencher um formulário de inscrição no site da LPCC ou podem dirigir-se no Faial, à delegação do Núcleo Regional dos Açores na cidade da Horta.
O NRALPCC lembra que o peditório é a mais importante fonte de financiamento da instituição que pretende fazer da luta contra o cancro um exemplo nacional de entreajuda e de solidariedade.
“Os donativos irão ajudar a custear os aspetos materiais de apoio ao doente e o desenvolvimento das iniciativas de promoção da saúde e de prevenção da doença”.
A LPCC é uma organização não governamental com vários objetivos dirigidos para as necessidades e direitos do doente oncológico, formação de profissionais de saúde, apoio à investigação científica e educação para a saúde da população em geral.
“A efetividade da sua ação advém, por um lado, da fundamental ação do seu Voluntariado, que intervém quer na comunidade, quer na humanização da assistência ao doente oncológico e, por outro, das contribuições recebidas através de donativos que permitem custear os aspetos materiais de apoio ao doente e o desenvolvimento das iniciativas de promoção da saúde e de prevenção da doença”, refere a LPCC.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO