“O Pirata das Flores” encontra “A Escrava Açoriana” no Pico

0
109
blank
O último fim de semana da décima edição do Azores Fringe, o festival internacional de artes, acolhe escritores no Encontro Pedras Negras, abrindo portas de vários eventos ao público em geral.
A arrancar a programação, na sexta-feira, 24 de junho, pelas 18h na Biblioteca da Madalena, apresentações incluem poemas inéditos, obras em pre-apresentação, surpresas para quem gosta de letras e livros, e ainda dois escritores galardoados a divulgar suas obras.
Tiago Salazar nasceu em Lisboa, formou-se em Relações Internacionais e estudou Guionismo e Dramaturgia em Londres. É doutorando no Instituto de Geografia e trabalha como jornalista desde 1991. Escreveu a aventura da vida do Pirata das Flores, personagem resgatada do esquecimento, num magnífico romance histórico, que agora traz até à ilha montanha.
 

Pedro Almeida Maia é um psicólogo organizacional e autor, nascido na cidade de Ponta Delgada. O seu sexto livro “A Escrava Açoriana”, é baseado em relatos reais, de 1873, onde engajadores brasileiros aliciam os açorianos a viajar para o Império, com promessas de riqueza. A família de Rosário entrega tudo o que possui e embarca na escuridão. Rosário vive como uma escrava, perde o rumo, a virgindade e a esperança.

O programa continua no sábado com conferência sobre José Martins Garcia, pelo açoriano Urbano Bettencourt, um workshop de escrita criativa pelo alemão Rainer Wurth, e muitos mais livros, incluindo poesia.
O Azores Fringe Festival encerra a 30 de junho com o concerto de Wave Jazz Ensemble, no Auditório da Madalena. www.azoresfringe.com