OE 2021 – Paulo Moniz questiona Ministro do Mar sobre radares meteorológicos em falta

0
23
DR/PSD
DR/PSD

O deputado do PSD/Açores na Assembleia da República Paulo Moniz questionou o Ministro do Mar sobre a rede de radares meteorológicos na Região, lembrando que estão em falta as infraestruturas prometidas para as ilhas das Flores e São Miguel, e acerca da revitalização da Central de Ondas do Pico para a produção de energias renováveis.

“O que se exige saber do senhor Ministro, e de forma concreta, é se no próximo ano a implementação da rede passará das intenções às concretizações ou se veremos esta inscrição Orçamento após Orçamento, correndo o risco de, à semelhança do recentemente inaugurado na ilha Terceira, vermos este processo arrastar-se por quatro ou mais anos”, afirmou o parlamentar social-democrata.

Paulo Moniz, que falava numa audição no âmbito do debate na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2021 (OE 2021), salientou que “o radar recentemente inaugurado, que foi construído numa torre deixada ao abandono pelos norte-americanos, levou quatro anos a ser implementado”.

“O que está inscrito no OE 2021 é apenas a intenção da concretização desta rede de radares meteorológicos, que não se esgota no de Santa Bárbara, na Terceira, faltando implementar os das Flores e São Miguel, que exigem um valor estimado em mais de três milhões de euros”, frisou.

Na resposta, o Ministro do Mar afirmou que o Instituto Português do Mar e Atmosfera (IPMA) “não tem orçamento para realizar a instalação” dos radares meteorológicos nas ilhas das Flores e São Miguel.

O deputado do PSD/Açores questionou também o governante sobre a Central de Ondas da ilha do Pico, que atualmente se encontra abandonada.

“Na ilha do Pico existe uma das principais experiências que se fez de produção de energia elétrica com base nas ondas do mar. A Central de Ondas, instalada no Porto do Cachorro, está neste momento ao abandono”, referiu.

Para Paulo Moniz, “espera-se que no OE 2021 seja contemplada a revitalização daquela central e questiona-se quais foram os esforços desenvolvidos ao nível da União Europeia para encetar verdadeiramente um programa de energias renováveis com base na economia azul”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO