Página Mensal da Escola Profissional da Horta

0
43

A EPH no projeto“Entrepreneurship Education: A Road of Sucess”

Três alunos da Escola Profissional da Horta participaram, de 8 a 12 de julho, na ilha Terceira, naquele que foi o primeiro bootcamp internacional do projeto “Entrepreneurship Education: A Road of Sucess”, promovido pelo Governo dos Açores, através da Direção Regional da Juventude, com o apoio do programa europeu Erasmus+ Juventude em Ação e que contou com a parceria de países como a Bulgária, Roménia, Espanha e Portugal.
Os alunos tiveram a possibilidade de conhecer novas culturas, tradições e gastronomia, numa semana caracterizada com a presença de um concurso de ideias empreendedoras, partilhadas entre jovens de várias nacionalidades.
O desafio durante estes dias passava por falar a língua inglesa, criar novas amizades e sobretudo apresentar aquele que seria o projeto da EPH; um jogo lúdico, relacionado com a cultura e tradições dos Açores, onde a aventura de conhecer as nove ilhas é feita de uma forma divertida.
Segundo um dos alunos participantes “o importante não é o ganhar, mas sim enriquecer o nosso estado de espírito e sobretudo o nosso conhecimento”. Ainda assim, acredita que leva “amizades para a vida de vários pontos do mundo uma vez que, um dos objetivos deste projeto é esse mesmo”.
Durante a semana tiveram ainda a possibilidade de conhecer um pouco a Ilha Terceira, participando num peddy papper pelas ruas de Angra do Heroísmo e realizando uma caminhada ao Monte Brasil, finalizada com uma visita ao quartel militar.
Os alunos afirmam que “foi uma semana única e que passou a correr” e sentem-se gratos por esta oportunidade única.

Festa de Final de Ano da EPH

A Associação de Estudantes da Escola Profissional da Horta, no passado dia 5 de julho, realizou uma festa de final de ano, que teve como intuito proporcionar um ambiente de convívio e animação entre todos os alunos da escola e de certa forma dar por finalizado mais um ano formativo.
O tema da festa foi o verão e a sala de convívio estava decorada com flores, ramos frescos, areia, conchas, toalhas de praia, óculos de sol, gelados e cores muito vivas. Havia ainda um espaço dedicado à angariação de fundos para as atividades da AEEPH, com a venda de salgados, bolos e sumos.
Durante essa noite, os alunos tiveram o prazer de ouvir um concerto do músico André Oliveira e também a atuação do DJ Gonçalo Puim.
A Associação de Estudantes fez uma surpresa aos alunos dos cursos técnico/a de Contabilidade e técnico/a de Informação e Animação Turística, uma vez que os mesmos são finalistas da EPH. Ofereceram a cada um dos presentes um livro de curso, onde constava uma breve descrição de cada um, realizada por um colega de turma, fotografias de atividades realizadas durante os três anos que frequentaram a EPH e de todos os seus formadores.
Foi uma noite repleta de divertimento, emoções e partilhas e que se espera poder repetir.

“Lenda da Coroa dos Cedros”

No âmbito da disciplina de Área de Expressões, os alunos do curso de Animador/a Sociocultural, da Escola Profissional da Horta, participaram no Encontro de Centros de Atividades de Tempos Livres da ilha do Faial – Bolinhas de Sabão, no dia 12 de Julho no parque da Alagoa, dramatizando a lenda da coroa dos Cedros. Esta lenda é uma tradição da ilha do Faial e passa-se no tempo da ocupação das ilhas pelas forças de Filipe II, de Espanha.
Num certo dia, uma embarcação pirata comandada por um rei mouro apareceu nas costas da ilha para mais um assalto, mas como a embarcação foi avistada a tempo, as populações locais tiveram tempo de se preparar. Encontrando forte resistência, os piratas foram obrigados a fugir de forma precipitada sem conseguirem roubar nada. No entanto, na fuga, o rei mouro esqueceu-se da sua coroa. Disfarçando-se de marinheiros comuns, procuraram-na sem resultado e apesar das perguntas que fizeram aos habitantes, ninguém sabia de nada. Para não levantarem mais suspeitas, desistiram da busca e fizeram-se novamente ao mar. Afinal, a coroa do rei pirata tinha sido encontrada por uma mulher da localidade dos Cedros, que ao saber que andavam à sua procura, a escondeu conforme pôde – levantando as saias, enfiou-a numa perna. E aí a conservou até ter a certeza que o rei mouro tinha desistido do precioso objeto. Ao retirarem cuidadosamente, o objeto ficou para a freguesia dos Cedros, onde morava a referida mulher cujo nome se desconhece. Com o passar dos anos a coroa passou a ser usada pelos locais nas festas do Divino Espírito Santo.
Os alunos, vestidos de piratas e de pessoas do campo, recriaram a referida lenda, de uma forma divertida e encantando as crianças presentes.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO