PSD/Açores defende Orçamento de “responsabilidade social” com novas medidas de apoio às famílias

0
31
blank
DR

O vice-presidente do PSD/Açores Luís Maurício defendeu hoje que a proposta de Orçamento da Região para 2023 deve ser de “responsabilidade social”, contendo novas medidas de apoio às famílias e suplementares às que o Governo Regional já tomou “por antecipação”.

“O Orçamento para o próximo ano tem de ser de responsabilidade social, contendo novas medidas suplementares de apoio às famílias, para além daquelas que o Governo dos Açores, por antecipação, já aplicou, como foram os aumentos do COMPAMID, do abono de família, do ‘cheque pequenino’, do apoio aos beneficiários da tarifa social de eletricidade e da remuneração complementar, bem como a baixa dos impostos”, afirmou Luís Maurício.

O dirigente social-democrata, que esteve acompanhado pela vice-presidente do partido Mónica Seidi e pelo líder parlamentar, João Bruto da Costa, falava aos jornalistas após uma audição com o Presidente do Governo dos Açores, no âmbito do processo de auscultação sobre o Orçamento da Região para 2023.

Luís Maurício manifestou a “preocupação” do PSD/Açores com a subida das taxas de juro e consequente aumento das prestações do crédito à habitação para as famílias, devendo o Governo Regional “ter em conta” esta situação na elaboração do Orçamento para 2023.

O vice-presidente do PSD/Açores destacou também a importância da continuidade da presente “estabilidade governativa” existente nos Açores, sublinhando que os açorianos não compreenderiam que, numa altura de “incerteza económica e social” a nível internacional, se “juntasse a incerteza política”.

“Os açorianos não entenderiam que, a uma incerteza económica e social, que decorre de uma guerra inesperada e daquilo ela determinou, nomeadamente em termos de inflação e do aumento dos custos de produção, se juntasse uma incerteza política”, considerou.

Para o dirigente social-democrata, “a manutenção desta estabilidade governativa é também necessária para o aproveitamento de fundos europeus muito importantes, nomeadamente no âmbito do Programa Operacional 2030 e do Plano de Recuperação e Resiliência, que importa concretizar a benefício dos Açores e dos açorianos”.

Luís Maurício acrescentou que o Orçamento da Região para 2023 “deve manter a baixa dos impostos” aprovada na atual legislatura em relação ao IVA, IRS e IRC, bem como a assegurar a continuidade da ‘Tarifa Açores’, um “instrumento fundamental na dinamização da economia de todas as ilhas”.

O vice-presidente do PSD/Açores referiu que, com o Orçamento para 2023, o Governo Regional deve prosseguir com medidas de apoio à estabilidade laboral e em prol da valorização profissional, “como já se verificou com as carreiras dos profissionais da Saúde e Educação”.

O dirigente social-democrata sublinhou ainda que as medidas de combate aos efeitos da inflação anunciadas pelo Governo da República “devem ser extensíveis” aos Açores. “Isso, para nós, é uma certeza”, salientou.