TMPPH – Navio de Cruzeiro “BLACK WATCH” na Horta

0
44

Escala hoje, na Horta, o navio de cruzeiros “BLACK WATCH”, pertencente à frota do operador britânico ‘Fred Olsen Cruise Lines’, uma das companhias mais antigas do mundo, fundada em 1848.

Este navio, em concreto, tem capacidade máxima de 868 passageiros e 330 tripulantes, apresenta 205 metros de comprimento, 7,5 metros de calado e desloca 28.613 toneladas de arqueação bruta, tendo sido construído no ano 1972 e reconstruído em 2009.

Sendo o “BLACK WATCH” uma presença habitual nos mares e portos dos Açores, incluindo a Horta, a paragem turística que agora acontece na ilha do Faial está englobada num cruzeiro de 13 noites, denominado “Ilhas dos Açores e Cidades de Portugal”, iniciado a 11 de maio em Liverpool, Reino Unido, para onde também regressa no dia 24, com paragens intermédias, apenas, na Praia da Vitória, na Horta, em Ponta Delgada, em Lisboa e no Porto (Leixões).

A ‘Fred Olsen Cruise Lines’ é uma companhia que mantém na sua frota somente quatro navios de cruzeiro, todos incluídos na gama de embarcações de linhas clássicas, tendo os três restantes – o “Balmoral”, o “Boudicca” e o Braemar” – já operado, nos anos anteriores, no Terminal Marítimo de Passageiros do Porto da Horta.

É de notar, entretanto, que naquela mesma infraestrutura portuária tem permanecido, desde o passado domingo, outra embarcação destinada a efetuar cruzeiros de turismo e charters (a preços entre € 55.000 e € 64.000 por semana), no caso o veleiro de luxo“RHEA”, de bandeira holandesa, construído em 2017, com 54 metros de comprimento e capacidade para acolher um máximo de 26 passageiros e 8 tripulantes.

No último fim-de-semana, ao “RHEA” juntara-se, no Porto da Horta, o veleiro gémeo “CRONOS”, também afeto ao negócio dos cruzeiros de turismo e charters (a preços entre € 52.000 e € 60.000 por semana), este construído antes, em 2013. O iate de luxo “CRONOS” foi finalista em 2014 do prémio «Best Sailing Yacht» para embarcações com mais de 40 metros, no âmbito dos ‘World Superyacht Awards’.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO