Três dezenas de empresas açorianas procuram oportunidades na Web Summit 2019

0
37
DR

Arrancou esta segunda-feira a edição de 2019 da Web Summit em Lisboa, a maior conferência sobre tecnologia da Europa, que se prolonga até dia 7 de novembro.
Os Açores marcam presença através da SDEA – Sociedade para o Desenvolvimento Empresarial dos Açores que se faz acompanhar por 30 empresas regionais de base tecnológica, 15 das quais StartUp’s que se reúnem num stand próprio dedicado exclusivamente aos Açores.

Na abertura deste importante certame Vítor Fraga, Presidente do Conselho de Administração da SDEA, sublinhou a importância da participação dos Açores neste evento “não só ao nível da promoção dos Açores enquanto uma região estável do ponto de vista politico, económico e social, ambientalmente sustentável, com uma localização privilegiada para tirar partido do fuso horário, possibilitando a prestação de serviços tanto para o continente europeu, como para a América do Norte, em horário laboral, com acessibilidades que permitem diariamente chegar às principais capitais europeias e às principais cidades norte-americanas, com elevada proximidade aos centros de decisão, e que tem efetuado uma forte aposta na inovação, mas também para possibilitar às empresas açorianas presentes, promoverem os seus produtos, procurarem atrair investidores para os seus negócios, desenvolverem parcerias e inteirarem-se das tecnologias mais disruptivas do momento, que certamente irão marcar o nosso futuro coletivo”.

Num contexto de economia globalizada, a flexibilidade e a eficiência constituem aspetos
cruciais para a competitividade das empresas, possibilitando a sua otimização operacional,
gerando eficiências que potenciam a maximização dos seus resultados, tendo, neste contexto, as tecnologias digitais um papel crucial ao conferirem às empresas a flexibilidade e a aproximação aos seus stakeholders, permitindo, inclusive, a sua integração nas suas próprias cadeias de valor.

“Em territórios como a nossa região, afastado dos mercados e com descontinuidade
territorial, as tecnologias digitais permitem que as empresas açorianas quebrem fronteiras e se insiram quer em cadeias de valor locais, quer globais” afirmou Vítor Fraga.
Torna-se assim necessário promover a transformação digital nas empresas açorianas,
abrangente e robusta, que englobe a integração do digital nas vertentes organizacionais,
processos de produção, cadeias de logística e distribuição, promoção e vendas, que, em
síntese, promovam mudanças disruptivas ao nível dos modelos de produção e negócio.
“Esta transformação tem autores principais, são eles os empreendedores e as empresas de
base tecnológica da nossa região, 30 dos quais aqui presentes, sem descorar naturalmente o desenvolvimento e implementação de politicas públicas que auxiliem e desempenhem um
papel de aceleradores desta transformação” prosseguiu o Presidente do Conselho de
Administração da SDEA, “ O Governo dos Açores tem feito um trabalho notável de fomento da inovação e do empreendedorismo, hoje possuímos nove incubadoras na Região, cinco
públicas e quatro privadas, com mais de 170 empresas incubadas, o sistema de incentivos
Competir+, o Vale Incubação, os projetos Empreende o Meu negócio e o Concurso Regional de Empreendedorismo, já responsáveis pela criação de mais de 50 empresas, são bem
demonstrativos da aposta que tem vindo a ser efetuada”.

Este é o terceiro ano consecutivo que os Açores marcam presença na Web Summit. “Os
resultados desta participação são muito animadores, nomeadamente no que à captação de
investimento diz respeito. É um exemplo o Terceira Tech Island, projeto que assenta no
desenvolvimento de um Hub Tecnológico na Ilha Terceira: aquando da edição anterior da Web Summit, tínhamos cinco empresas instaladas. Hoje temos mais do triplo e com mais de 130 postos de trabalho qualificado criados. Naturalmente que a promoção que fizemos na edição do ano passado não foi indiferente a este sucesso”, concluiu Vítor Fraga.

O Stand dos Açores é, também, o espaço disponibilizado às nove entidades que constituem a Rede de Incubadoras de Empresas dos Açores para reunirem com eventuais parceiros,
anunciar medidas, novidades, projetos da área do empreendedorismo, inovação,
financiamento e internacionalização.

Recorrendo às novas tecnologias, a SDEA disponibiliza igualmente um canal digital para
divulgação junto das 30 empresas açorianas de base tecnológicas presentes, das
oportunidades de investimento e desenvolvimento de negócio que surjam durante o evento, permitindo, ainda, que haja um acompanhamento posterior dos contactos que possam ser desenvolvidos pela equipa de captação de investimento.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO