Acenda as luzes de Natal Sr. Presidente

0
111
TI
TI

Aproxima-se a passos largos a época natalícia e as luzes na nossa cidade que nos recordam a chegada do Natal continuam apagadas. Bem sei que é cedo para as ligar comparativamente com aquilo que costuma ser prática corrente, mas estamos hoje perante uma situação excecional que exige que sejam adotadas medidas excecionais.
Daí que antecipar a abertura dessa iluminação de Natal serviria para dar um pouco de brilho e cor às nossas vidas, à nossa cidade, elementos necessários para nos alegrar e desanuviar o ambiente difícil que temos vivido nos últimos tempos.
Na verdade, é desanimador para quem passeia à noite no centro histórico da cidade, no Largo Duque D`Ávila e Bolama, zona nobre da nossa mui ilustre terra, ver que o mesmo está completamente despido de luzes, da árvore de Natal e de adereços que nos recordem a importância e a alegria da época que aí vem.
Num momento em que a pandemia da Covid-19 nos preocupa a todos, sobretudo neste momento, justifica-se olhar com cuidado para este simples ato, mas importante, de ligar a ficha à eletricidade e dar vida, dar luz à nossa cidade.
Agradecem os cidadãos, mas também os nossos empresários, já que, dotando, com a devida antecedência, o centro da cidade com a iluminação de Natal, certamente tal funcionará com um chamariz e permitirá atrair cada vez mais pessoas a visitar o nosso comércio tradicional e a realizar aí as suas compras de Natal.
Por esta altura já vemos muitas cidades portuguesas engalanadas, preocupadas em dotar as suas ruas da melhor iluminação possível, dos melhores enfeites ou da árvore de Natal mais colorida, enfim, em tentar animar um pouco as suas populações e a dar-lhes um Natal, dentro do possível, feliz, perante o futuro difícil que se avizinha.
Será que, como sucede todos os anos, se vai aguardar na ilha do Faial pela chegada do famoso “Dia das Montras”? É que esperar por esse dia, que ainda tarda, para acender as luzes de Natal, significa comprometer as expetativas dos nossos comerciantes que aguardavam por este período para tentar impulsionar as suas vendas, para, assim, conseguir colmatar alguns dos prejuízos acumulados do ano em curso.
A propósito do “Dia das Montras”, seria importante que as entidades competentes esclarecessem, antecipadamente, a opinião pública sobre se o mesmo se vai ou não realizar, e, em caso afirmativo, em que moldes se irá concretizar. Isto porque se sabe da posição adotada pelas autoridades de saúde regionais em relação a ajuntamentos.
Por outro lado, como uma forma de incentivar e de dinamizar o comércio tradicional, deveria o órgão máximo dos empresários faialenses, neste período fundamental para os empresários, vir a terreiro exigir as melhores condições possíveis para que os seus associados consigam superar a crise que os assola.
Já que estamos a falar do Natal, aguarda-se com ansiedade o programa do Natal com Tradição e o anúncio do fogo de artificio de final do ano.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO