ANA/Vinci. Paulo Moniz diz que empresa tem obrigação de investir nos aeroportos dos Açores

0
27
DR
DR

O deputado à Assembleia da República Paulo Moniz considerou hoje que a ANA-Aeroportos de Portugal/Vinci “não se precaveu para fazer face ao aumento do turismo da Região, o que está a provocar situações caóticas nos aeroportos que gere, com especial enfoque no de Ponta Delgada”, avançou.

O social-democrata falava numa audição parlamentar ao presidente da empresa, José Luís Arnaut, e ao presidente da sua comissão executiva, Thierry Liggonière, tendo relatado que, “diariamente, se vivem situações que mostram a falta de condições para responder ao fluxo de passageiros que aterram nos Açores”, alertou.

Paulo Moniz frisou mesmo que “não preciso de ter acesso a auscultações, uma vez que todas as semanas passo no Aeroporto João Paulo II (Ponta Delgada), e está visto que, mesmo perante as responsabilidades contratuais da empresa, e para além dos investimentos temporários que foram comunicados, não houve medidas estruturantes para resolver um problema que afeta determinantemente o crescimento do Turismo nos Açores”, afirmou.

O parlamentar lembrou que, “em fevereiro deste ano, o presidente da SATA antecipou a sobrelotação, e uma carga de atrasos para o Aeroporto de Ponta Delgada, dizendo que o mesmo estava subdimensionado para a oferta [turística], que já se conhecia à altura, com cerca de 300 mil lugares no verão IATA e oito novas rotas para Ponta Delgada”.

Face a isso, “a resposta de que me apercebi, por parte da ANA/Vinci, é de que o planeamento em termos do desenvolvimento de infraestruturas requer perspetivas estáveis”, sublinhou, frisando que “a ANA/Vinci tem obrigação de investir nos aeroportos dos Açores que gere”.

“Ora, se já em 2019, as filas para o check-in eram insustentáveis, é evidente que com o acréscimo de rotas e de lugares no verão IATA, era evidente que neste verão iríamos estar na situação caótica que se vê em Ponta Delgada e, pior que isso, com o mesmo a verificar-se nos aeroportos – sob responsabilidade da ANA/Vinci – das ilhas mais pequenas”, concluiu Paulo Moniz.