António Ventura defende uso sustentável do solo na produção de agroalimentos

0
34
DR/GACS
DR/GACS

O Secretário Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural assinalou hoje o Dia Mundial do Solo, alertando para a necessidade de haver uma política regional objetiva para o seu uso, enquanto meio produtivo dos agroalimentos e visando o desenvolvimento sustentável.

“Importa recordar que o solo é um recurso natural não renovável à escala de tempo da vida humana, representando, assim, um tema de cidadania que não pode ser esquecido”, sublinhou António Ventura.

“Assim, é urgente definir-se uma política regional objetiva para o uso do solo enquanto meio produtivo dos agroalimentos baseada no princípio do desenvolvimento sustentável.

“Hoje, dia 5 de dezembro, celebra-se o Dia Mundial do Solo. Que é um recurso natural fundamental nos Açores”, recordou o governante, considerando que, acima de tudo, “o solo é um elemento de segurança nas disponibilidades alimentares e, como tal, imprescindível na estratégia de produção de agroalimentos, também na Região”.

António Ventura assume “é preciso uma estratégia que possa ajudar a diminuir a dependência alimentar exterior, recentrando a alimentação, quer humana como animal, nos recursos locais, melhorando a qualidade dos alimentos pela vertente nutritiva”.

“Temos de conhecer o nosso solo com maior exatidão e, para isso, devem implementar-se, a nível regional, a investigação científica e o saber técnico. Temos de estabelecer interligações consultivas desde o segmento produtivo até ao académico, criando um sistema básico de pedagogia e aconselhamento e planeamento do solo para quem produz agroalimentos”, afirmou o Secretário Regional da Agricultura e Desenvolvimento Rural.

“As práticas do bom uso do solo na agricultura suportam uma marca de qualidade inigualável nos nossos agroalimentos”, pelo que, “neste Dia Mundial do Solo, quero saudar e reconhecer todos que o utilizam na vertente produtiva, e que têm vindo a contribuir para a sua sustentabilidade”, disse ainda António Ventura.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO