Artur Lima quer “Espalamaca” a navegar

0
15

Em visita aos estaleiros de Santo Amaro, local onde a ”Espalamaca” está a ser alvo de trabalhos de recuperação desde finais de 2014 após uma proposta apresentada pelos democratas-cristãos e aprovada na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA) em 2011, Artur Lima avançou a intenção de “voltar a ver a Espalamaca a navegar”, direcionando a sua atividade para os turistas que visitem a região

O líder do grupo parlamentar do CDS-PP além de reforçar e ideia de querer ver a histórica lancha no mar, revelou também que irá apresentar na ALRAA “uma iniciativa para que, no âmbito da recuperação da embarcação, a mesma seja motorizada”.

 “Desde o início que o nosso objetivo, para além da recuperação deste importante património histórico e cultural, era voltar a garantir a navegabilidade da Espalamaca. Segundo percebemos a lancha tem todas as condições para voltar ao mar e, por isso entendemos que se deve dotar a embarcação da motorização adequada para poder fazer os seus passeios turísticos, porque este barco não pode ficar em terra a morrer, os barcos vivem no mar” sublinhou o líder da bancada popular.

Para Artur Lima há uma “certa resistência governamental” em motorizar a embarcação uma vez que os novos motores custariam cerca de 250 mil euros, justificação que não serve ao líder do CDS-PP/Açores que afirmou o desejo apresentar uma iniciativa no hemiciclo açoriano para que o Governo dos Açores “ultrapasse esta dificuldade e contribua para que a lancha volte a navegar”.

“Não podemos aceitar que um Governo que equaciona gastar entre 80 e 100 milhões de euros em dois novos navios de cruzeiros não tenha dinheiro para recuperar o nosso património histórico” rematou o terceirense.

Durante a visita Artur Lima foi confrontado com a necessidade de recuperar outras embarcações tipicamente picoenses: as “lanchas gasolinas”. Relativamente a este tema o deputado do CDS-PP/Açores prometeu avançar com “outra iniciativa para que o Governo Regional reforce os apoios concedidos às lanchas gasolinas do Pico, para que se possa preservar todo este património”, preservação que a acontecer potenciará a diversificação da oferta do setor turístico da ilha pois permitirá “um turismo de qualidade, diferente do turismo do resto do país e da Europa”, considerou.

A proposta apresentada pelo CDS-PP/Açores com vista a averiguar o quão viável seria a recuperação e reutilização futura da lancha “Espalamaca” foi aprovada por unanimidade na ALRAA em julho de 2012. Nessa altura a lancha estava varada nos Estaleiros da Madalena em grave estado de degradação.

A embarcação assumiu o transporte marítimo no canal Faial/Pico na década de 50 do século passado, mantendo-se em atividade até aos anos 90, altura em que cessou a sua funções de transporte de passageiros e carga entre as duas ilhas.