BE: “Alterações do PSD ao programa Estagiar aumentam a precariedade e a instabilidade dos jovens”

0
28
blank
DR/BE

O Bloco de Esquerda considera que as alterações aos programas de estágio apresentadas pelo PSD, aprovadas hoje no parlamento, vão aumentar a precariedade dos jovens e têm como principal objetivo disponibilizar mão-de-obra barata às empresas. Numa altura em que os empresários falam na existência de falta de mão-de-obra qualificada o Governo devia era incentivar a celebração de contratos de trabalho para os jovens, disse Alexandra Manes.

A deputada do Bloco de Esquerda defende que o foco dos estágios tem que estar nos jovens, na sua formação e na sua integração no mercado de trabalho, e não, como faz a proposta do PSD, que coloca os estágios como uma forma de dar resposta às necessidades das empresas, disponibilizando “mão-de-obra qualificada low-cost” por cada vez mais tempo.

“O Bloco quer mais emprego, mais estabilidade, mais contratos de trabalho”, disse Alexandra Manes, que acusou o Governo e os partidos que o suportam de querer apenas “que os jovens que acabam de sair da universidade sirvam de mão-de-obra low-cost às empresas”.

“Se existe uma necessidade permanente, deve existir um contrato de trabalho. É isto que o Bloco sempre defendeu, defende e continuará a defender”, disse a deputada Alexandra Manes.

O Bloco de Esquerda não concorda também que haja um período experimental de 30 dias em que a empresa pode rejeitar o estagiário sem ficar penalizada na elaboração de nova candidatura. “Se o objetivo dos estágios é o de promover a inserção dos jovens no contexto real de trabalho, que tipo de inserção pode ser desenvolvida se em 30 dias estes jovens podem ser mandados embora?”, questiona a deputada.

Alexandra Manes considera que o objetivo desta alteração do PSD foi tornar o programa Estagiar “num paraíso para as empresas”, quando o que devia ser feito era melhorar este programa para garantir uma melhor “integração e estabilidade laboral”.