CDS-PP afirma: Governo Regional empenhado em soluções para a SATA

0
11
DR
DR

O Deputado Rui Martins, do Grupo Parlamentar do CDS-PP, afirmou nesta quarta-feira que “o Governo Regional continua a trabalhar afincadamente para que a SATA seja de facto uma empresa ao serviço dos Açores e os Açorianos, incluindo os que estão na diáspora” e que “nunca baixou os braços, mesmo enquanto está por concluir o plano de reestruturação” da companhia aérea.

“Prova disso é o assunto do avião cargueiro”, disse, recordando que “o próprio Conselho de
Administração da SATA, na procura de oportunidades de negócio com vista à sustentabilidade da empresa, em plena pandemia, avaliou o transporte de mercadorias para o exterior da Região, tendo nesse processo identificado que a verdadeira oportunidade estava no mercado interno e na rápida circulação de bens perecíveis, pelo que propunham a operação interilhas de um avião cargueiro”.

Facto é que o XIII Governo Regional já anunciou o início da operação de um avião cargueiro, a partir do final deste verão, dando resposta a uma antiga reivindicação do CDS-PP junto do Governo Socialista, que remonta a 2009. “O Presidente do Conselho de Administração da SATA não estava na Região quando o CDS-PP defendia o avião cargueiro”, observou Rui Martins, “mas veio a dar razão ao CDS-PP quando sugerimos que havia uma oportunidade no mercado interno, e que deveria haver um avião cargueiro para esse propósito”.

O deputado Rui Martins acrescentou que “também a solução apresentada quanto à Tarifa Açores é demonstrativa do trabalho e da visão do XIII Governo Regional quanto à mobilidade interna, sem descurar o que diz respeito ao subsídio de mobilidade”. Neste âmbito, Rui Martins responsabilizou o Bloco de Esquerda por, em 2019, “não ter feito valer o seu peso na geringonça da República para defender os interesses dos Açores, pois o ano de 2019 foi o momento certo para rever o modelo. A realidade é que o modelo existiu e serviu os Açores e os Açorianos. Não é um modelo perfeito, mas o Bloco de Esquerda tinha a responsabilidade de em 2019 fazer as alterações que agora diz que vai propor.”