Chega Açores defende mais incentivo à produção agrícola

0
6
DR/CHEGA
DR/CHEGA

Por: CHEGA Açores

Carlos Augusto Furtado, acompanhado de outros candidatos regionais do partido Chega visitaram recentemente várias associações e cooperativas agrícolas de S. Miguel, no objetivo de melhor perceberem a realidade da agricultura e pecuária na região.

O balanço feito após estas reuniões de trabalho levou o Chega Açores a concluir que a agricultura nos Açores tem sido tratada como o parente pobre da atividade económica, algo que o Chega não admite, uma vez que as atividades de agricultura e pecuária representam desde logo uma importante massa empregadora nos Açores.

Além disso, o Chega Açores entende que a pecuária deverá ser sempre encarada como um importante contributo para as exportações da região, enquanto que a agricultura deverá ser potenciada, com vista a aumentar os rendimentos dos agricultores e diminuir as importações de bens alimentares, possíveis de serem produzidos na região.

Assim, o Chega Açores defende que deverá em primeira mão, criar-se condições para a valorização das profissões de âmbito agrícola, no objetivo de asseguram o aumento de profissionais do sector, ao mesmo tempo que será também necessário gerar ambiente propicio a que os rendimentos anuais de toda a mão-de-obra envolvida sejam adequados ao esforço físico que estas profissões exigem.

Segundo os testemunhos da Associação Terra Verde, da Cooperativa Bom Pastor e da Cooperativa Agrícola da Costa Norte, os empresários da agricultura e da pecuária, atravessam atualmente momentos muito críticos nas suas atividades, pelo facto dos seus rendimentos baixarem a cada ano, enquanto os custos de exploração aumentam constantemente, o que levou o Chega Açores a concluir que o governo da região terá de ter um importante papel na salvaguarda destas atividades e dos postos de trabalho que elas representam.

Foi ainda apontado pelo Chega Açores que quer a coordenação de produções, quer a promoção dos nossos produtos fora da região, terá forçosamente de contar com o apoio do governo, uma vez que estes propósitos requerem investimentos avultados, que atualmente são impossíveis de reunir entre produtores e associações dos mesmos.

Ficou assegurado o compromisso do Chega Açores para com estas associações, de defender acerrimamente estes profissionais durante a próxima legislatura, na proporção que as eleições de 25 de Outubro, assim o determinarem.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO