Comissão de Ilha de São Miguel BE contra a intervenção planeada pelo Governo Regional para o Miradouro na Lagoa do Fogo

0
7

A Comissão de Ilha de São Miguel do Bloco de Esquerda Açores manifesta-se contra a intervenção planeada pelo Governo Regional para o Miradouro na Lagoa do Fogo.

A área da Caldeira do vulcão da Lagoa de Fogo é um Geossítio classificado como Reserva Natural desde 1974 e está inserida no Plano Sectorial para a Rede Natura 2000 da RAA, como zona especial de conservação da diversidade biológica e ecológica.

A estratégia do Governo Regional é adaptar a Zona Protegida à pressão dos atuais e futuros visitantes e não o ordenamento da cada vez maior procura dos visitantes ao local que se quer protegido e preservado.

A Comissão de Ilha de São Miguel do BE considera que a solução alternativa passaria pela utilização de Shuttles elétricos, associados a locais de estacionamento em zonas mais distantes da zona protegida. Esta solução, ecologicamente mais sustentável, permite a limitação do número de viaturas no local em simultâneo, criando menor pressão sobre aquele espaço, que em nosso entender deveria ter o mínimo possível de intervenção.

Condenamos a realização de obras públicas em áreas classificadas como Reservas Naturais e definidas pelo próprio Governo Regional, obras essas que servem apenas para responder ao aumento do turismo e não para compatibilizar a fruição do local com a sua necessária proteção e conservação.

Inserida nesta preocupação geral queremos notar que a mesma se estende à construção da Ciclovia no concelho de Lagoa, entre a zona do Portinho de São Pedro e o Largo do Cruzeiro. Esta construção situa-se em zona classificada como Reserva Ecológica, sendo particularmente vulnerável a fenómenos naturais como agitação marítima, classificação que pouco pesou na decisão do Governo em autorizar a obra.

Concluímos manifestando a nossa preocupação com a falta de cuidado existente na definição do que possa ser considerado de “Interesse Público” invocado para a aprovação e concretização de intervenções em áreas protegidas.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO