Comunicado do Grupo Parlamentar do PSD/Açores

0
33
DR/PSD-Açores
DR/PSD-Açores

Na sequência da declaração do deputado Vasco Cordeiro sobre a atual situação pandémica na Região, vem o grupo parlamentar do PSD/Açores manifestar o seguinte:

As afirmações do deputado Vasco Cordeiro revelam uma absurda indignação e revolta pela perda do poder regional, agora exercido, de acordo com a maioria do Povo dos Açores, por José Manuel Bolieiro.

Vasco Cordeiro, numa atitude profundamente lamentável, faz um inédito e grosseiro aproveitamento político da atual situação pandémica na Região Autónoma dos Açores, perdendo, por completo, o sentido de responsabilidade que a circunstância exige.

É bom recordar que no início da pandemia, o deputado Vasco Cordeiro, na altura com responsabilidades governativas, recebeu das restantes forças políticas – nomeadamente das que suportam o novo Governo dos Açores – total colaboração e propostas construtivas, forças políticas estas que não hesitaram em colocar os superiores interesses dos Açores acima de quaisquer intrigas político-partidárias.

Exigia-se agora que, enquanto deputado da oposição, Vasco Cordeiro tivesse um comportamento idêntico, retribuindo a elevada e sempre pronta e responsável colaboração que recebeu dos restantes partidos políticos nos primeiros meses da pandemia.

Pelo contrário, o deputado Vasco Cordeiro está empenhado em que as coisas corram mal ao novo Governo Regional no combate à pandemia, assumindo uma postura assente no princípio de que o que o que correr mal para Açores será melhor para o partido socialista e para o seu líder.

O deputado Vasco Cordeiro e o Partido Socialista esquecem que o que efetivamente correu mal foi o desleixo a que o anterior Governo votou o combate à pandemia assim que as eleições se aproximavam.

Recorde-se que à data da tomada de posse do novo Governo dos Açores, mais de metade dos casos positivos de COVID-19 na Região ocorreram precisamente após o início da campanha eleitoral.

Os últimos tempos da governação socialista nos Açores foram marcados pela estratégia do ziguezague: num dia é autorizada a presença de público nas touradas, no dia seguinte é proibida e no terceiro dia é novamente permitida; numa semana é autorizado público no rali, na semana seguinte o rali é proibido, mas pode realizar-se a prova de ‘trail run’; num dia aprova-se a obrigatoriedade de testes nos voos inter-ilhas, mas no dia seguinte ainda não há laboratórios convencionados.

Como se tudo isto não bastasse, os açorianos assistiram ainda – incrédulos – ao abandono de funções por parte do anterior Diretor Regional da Saúde, mais preocupado em ir rapidamente para o parlamento sentar-se na bancada do PS do que em servir os açorianos.

Este foi o grave cenário deixado pela governação de Vasco Cordeiro e do PS, que chegou ao ponto de ocultar a existência de transmissão comunitária nas ilhas de São Miguel e Terceira.

Apesar de tudo isto, o novo Governo Regional assumiu o controlo da situação. As recentes testagens em massa em Rabo de Peixe e Vila Franca do Campo, constituem bons exemplos do que deve ser uma atuação determinada e adequada. Sem desertar da causa da saúde pública – como faz agora o Partido Socialista – e sem arranjar desculpas, o novo Governo tem agido de forma célere e continuará a tomar as medidas mais adequadas a cada momento.

O deputado Vasco Cordeiro, agora tão empenhado em atacar o novo Governo dos Açores liderado por José Manuel Bolieiro, é o mesmo que se revelou politicamente impotente quando o Governo da República de António Costa o ignorou e recusou fechar os aeroportos dos Açores no início da pandemia.

Face aos desafios que a Região enfrenta neste momento do combate à pandemia, o grupo parlamentar do PSD apela ao deputado Vasco Cordeiro e ao Partido Socialista para que comecem a ter uma postura responsável e construtiva, colocando os interesses do Povo dos Açores acima do medíocre enredo político-partidário.

NOTA: O presidente do grupo parlamentar do PSD/Açores, Pedro do Nascimento Cabral, está disponível para prestar declarações

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO