Conselho Presbiteral quer reorganizar a diocese

0
10

O Conselho Presbiteral da Diocese de Angra apresentou “propostas e tendências” para a organização territorial da diocese, “apoiando a figura do vigário episcopal”, no comunicado final divulgado em conferência de imprensa.

O Conselho Presbiteral de Angra manifestou o acordo com os três assuntos do Instrumento de Trabalho na sua “generalidade” que começa pela proposta de organização diocesana”.

Neste contexto, apresentaram ao bispo diocesano, D. João Lavrador, “propostas e tendências acerca da organização territorial” da Diocese, “apoiando a figura do Vigário Episcopal”, com o intuito de “uma melhor dinamização, apoio e coordenação” das comunidades, e expressão da comunhão entre Ouvidorias (arciprestados).

Foi analisada a proposta do prelado que prevê a criação de três zonas pastorais: “Uma em São Miguel e Santa Maria; outra na Terceira, São Jorge e Graciosa e a Terceira, reunindo as ilhas do Pico, Faial, Flores e Corvo.”

Uma proposta,adiantaa página na internet, que vai ser também “discutida no Conselho Pastoral Diocesano, no fim do mês de janeiro”.

Segundo o comunicado da 42.ª sessão plenária foi realçada a “necessidade e prioridade” da formação dos fiéis, para tal mostrou-se “favorável à criação” da Vigararia da Formação para o clero e laicado.

“Ainda falta ouvir o Conselho Pastoral Diocesano e esgotar todas as instâncias de consulta para que se possa avançar com uma decisão definitiva” disse o bispo de Angra sobre este assunto na conferência de imprensa.

O ‘programa diocesano dedicado à Pastoral Social’ era o segundo tema do instrumento de trabalho e após a apresentação da “preocupação”, ação específica e localizada das ouvidorias e serviços os sacerdotes concluíram que o programa “ajudou a promover as iniciativas de reestruturação e dinamização da ação social”.

“O interesse, formação e dinamização denota ainda lacunas e deficiências graves”, alertam ainda, destacando que “existem novas formas de pobreza” que pedem mais “empenho” dos intervenientes públicos, privados e eclesiais.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO