Covid-19. Ilídia Quadrado alerta para constrangimentos nos serviços consulares

0
54
DR
DR

A deputada do PSD/Açores na Assembleia da República, Ilídia Quadrado, alertou a Secretária de Estado das Comunidades Portuguesas, para “os vários constrangimentos que se têm verificado em vários serviços consulares, e que afetam também a comunidade açoriana”, adiantou.

A social democrata questionou Berta Nunes numa audição requerida pelo grupo parlamentar do PSD, onde salientou precisamente problemas no acesso aos serviços consulares pelos açorianos residentes na Califórnia, “nomeadamente, as listas de espera e as restrições no atendimento, que já acontecem há muito tempo, não tendo a ver diretamente com a pandemia”, afirmou.

Ilídia Quadrado relatou ainda “problemas identificados com alguns consulados da América do Sul, no âmbito de situações sociais, e em Porto Alegre (Brasil), onde foi necessária a intervenção do Ministério dos Negócios Estrangeiros em Lisboa para se acionar apoio para o repatriamento de um cidadão açoriano”, disse.

“Nesse caso houve muitas dificuldades na comunicação, pois não atendiam telefonemas nem respondiam aos e-mails. Verificaram-se os mesmos problemas, por exemplo, com a Embaixada em Lima (Perú)”, rematou a deputada açoriana.

“Trata-se de um conjunto de constrangimentos que dificultam a vida dos cidadãos portugueses e, embora se vão solucionando os problemas, não devia ser necessária a constante intervenção seja da Direção Geral ou da Direção Regional, por exemplo, principalmente devido a questões de comunicação”, considerou Ilídia Quadrado.

A parlamentar referiu-se ainda ao Programa Regressar, que aprovou várias áreas estratégicas de intervenção, entre elas a mobilidade geográfica, que visa incentivar o regresso e a fixação de emigrantes em Portugal, e que não contempla a Região Autónoma dos Açores.

“Não faz sentido haver um programa deste género que deixe de fora os Açores”, afirmou Ilídia Quadrado, que pediu razões para a situação, querendo saber se há margem para ser reconsiderada a opção.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO