Dia da Região distingue 30 personalidades e instituições açorianas

0
20
TI/SG

Luís Bruno, Fernando Dutra, Clube Naval da Horta e Sociedade Filarmónica Artista Faialense, estão entre as 30 personalidades e instituições que foram homenageadas no Dia da Região, que este ano decorreu na sede do Parlamento açoriano, no Faial.

Feriado regional desde a década de 80, o Dia da Região comemora-se sempre na segunda feira do Espírito Santo. Este ano, a data foiassinalada a 5 de junho, na cidade da Horta, com uma sessão solene que contou com a presença do Presidente da República, Marcelo Rebelo Sousa.
Nesta cerimónia foram agraciadas 30 personalidades e instituições que se destacaram na consolidação da identidade histórica, cultural, política e económica dos Açores.
A lista de condecorados com as Insígnias Honoríficas Açorianas foi aprovada, por unanimidade, no passado dia 18, na reunião da Comissão de Assuntos Parlamentares, Ambiente e Trabalho e submetida à aprovação no Plenário de maio.
As Insígnias Açorianas, cujo regime jurídico foi aprovado em 2002, visam distinguir “os cidadãos e as pessoas coletivas que se notabilizarem por méritos pessoais ou institucionais, atos, feitos cívicos ou por serviços prestados à Região”.
Nos Açores existem cinco Insígnias Honoríficas, nomeadamente a Insígnia Autonómica de conhecimento, a Insígnia Autonómica de Mérito Profissional, a Insígnia Autonómica de Mérito Industrial, Comercial e Agrícola, a Insígnia de Mérito Cívico e a Insígnia Autonómica de Dedicação.

Luís Bruno, médico de Clínica Geral, no Centro de Saúde da Horta, e dirigente do PCP no Faial,Fernando Dutra de Sousa, actual Provedor da Santa Casa da Misericórdia da Horta e antigo Presidente da Câmara da Horta,Clube Naval da Horta (CNH), que no próximo mês de setembrocompleta 70 anos de existência e a Sociedade Filarmónica “Artista Faialense”, foram as personalidades e instituições faialenses que este ano foram condecoradas no Dia da Região Açores.

Luís Bruno – Insígnia Autonómica de Mérito Profissional a título Póstumo
Luís Bruno, natural das Caldas da Rainha, faleceu a 1 de dezembro de 2014, na Ilha do Faial. Médico do Centro de Saúde da Horta, e dirigente do PCP no Faial, foi condecorado com insígnia Autonómica de Mérito Profissional a título póstumo.
O médico para além da sua atividade profissional, distinguiu-se também na política. Assumiu vários cargos institucionais, foi membro da Assembleia Municipal da Horta e membro do Conselho de Ilha do Faial. Integrou a Comissão de Ilha do Faial do PCP, foi Coordenador do PCP Faial, membro da Direção da Região Autónoma dos Açores e membro do Conselho Regional do PCP. Também fez parte do Movimento Sindical, ao qual dedicou grande parte da sua vida, exercendo as funções de delegado sindical e de dirigente sindical dos Médicos do Sul.
O médico distinguiu-se na vida faialense, não só a nível profissional e político mas também social. Colaborou com muitas coletividades desportivas, culturais e recreativas. Foi Presidente da Direção do Grupo Desportivo da Feteira, do Conselho Fiscal da Sociedade Amor da Pátria e médico do Corpo ativo da Associação Faialense de Bombeiros Voluntários.
Para a viúva esta foi uma justa homenagem. “Estou extremamente feliz por ele. Sei que se ele estiver nalgum sítio que nos esteja a ver está completamente orgulhoso”, revelou emocionada ao Tribuna das Ilhas Maria Alexandra Bruno. “Ele escolheu o Faial como a sua terra e dedicou a sua vida à população”, reforçou.

Fernando Dutra – Insígnia Autonómica de Mérito Cívico
Fernando Dutra, nasceu na freguesia da Candelária, na ilha do Pico. Frequentou o ensino primário na escola da localidade. Aos 19 anos ingressou na vida militar, prestando serviço militar na Marinha. Nesta condição para além de outras missões, prestou serviço como especialista de radiotelegrafia nas estações da Rádio Naval de Algés, Monsanto e Horta.
Enquanto desempenhava estas funções concluiu o Curso Geral dos Liceus e o Curso do Magistério Primário, a par do 3.º ciclo liceal.
Na política destacou-se enquanto Presidente da Câmara Municipal da Horta, deputado à Assembleia Regional do Açores e foi nomeado presidente do Centro de Prestações Pecuniárias da Horta.
Para além da vida profissional e política, Fernando Dutra também colaborou com instituições locais de carácter cultural e social, desempenhando atualmente as funções de provedor da Santa Casa da Misericórdia da Horta.
Para Fernando Dutra esta homenagem “significa o reconhecimento” do seu contributo à sociedade. “Na minha vida nunca pensei em vir a ter um reconhecimento destes”. “Espero ter sido um estímulo para alguém”, referiu acrescentando que “este reconhecimento é significativamente fruto de muita gente que andou à minha voltaque trabalhou comigo e com quem eu aprendi muito”, disse.
“Não escondo de forma nenhuma a minha alegria”, revelou ao Tribuna das Ilhas.

Clube Naval da Horta – Insígnia Autonómica de Mérito Cívico
Neste Dia da Região também mereceu homenagem por parte do Governo o CNH. Fundado a 26 de setembro de 1947, o CNH celebra este ano 70 anos de existência dedicados essencialmente às atividades náuticas.
No entanto a sua atividade não se confina apenas à componente desportiva. O CNH tem tido um papel preponderante no apoio ao iatismo internacional, não só no quadro náutico-competitivo, mas também na promoção turística.
Atualmente esta instituição é responsável por dinamizar várias modalidades náuticas, desde a vela de cruzeiro, vela ligeira, vela e remo em bote baleeiro, natação em piscina e em águas abertas, canoagem, pesca desportiva de costa e de barcos, assim como remo, mergulho em apneia e outra atividades subaquáticas, windsuf e radiomodelismo, entre outros.
Para o presidente do CNH, esta homenagem apresenta-se como uma “honra”, uma vez que “representa o reconhecimento da atividade desenvolvida, quer no que respeita à promoção e prática de desportos náuticos quer no que respeita à promoção dos Açores e do Porto da Horta em especial junto da náutica internacional de recreio”, afirmou.
Para José Decq Mota, “para quem propôs e para quem aprovou esta distinção, fê-lo com conhecimento de causa”, por isso considerou “que esta é uma homenagem merecida”, que revela “o trabalho dos sócios, ao longo de muitas direções que efetivamente tornaram este CNH numa instituição aberta à sociedade, ao mundo que promove nitidamente os desportos náuticos e a Região”, reforçou.
Embora satisfeito com esta homenagem, José Decq Mota mostrou-se apreensivo pelo facto de ainda desconhecer qual o apoio do Turismo para este ano de 2017. “Estamos em junho, existem muitas atividades promocionais a serem preparadas e ainda não sabemos se vão ter como vão ter esse apoio do Turismo”, adiantou.

Sociedade Filarmónica Artista Faialense – Insígnia Autonómica de Mérito Cívico
Fundada a 22 de fevereiro de 1858, a Sociedade Filarmónica Artista Faialense, provém de um Grupo Musical da Escola do Mestre de Banda Militar, Joaquim Alberto Lança.
Viveu períodos de instabilidade até 1907. Data em que o prestigiado Maestro Francisco Xavier Symaria assumiu a sua regência. Durante trinta e sete anos Symaria fez da “Artista Faialense” um grupo exemplar, elogiado nos vários escritos da época.
Em 28 de setembro 1999 tornou-se membro da Federação de Bandas Filarmónicas dos Açores. Com 185 anos de existência, ininterrupta, ao serviço da cultura faialense e açoriana é atualmente composta por um grupo de 35 elementos, sob a regência do Maestro Bruno Goulart.
Também foi com orgulho que Isabel Maciel, presidente desta filarmónica recebeu esta condecoração. Segundo a responsável, a principal dificuldade que a Filarmónica se depara atualmente é com a falta de músicos e de jovens para incorporar a instituição”. Para Isabel Maciel “comandar os destinos de uma instituição centenária como a Artista Faialense, não é fácil, mas com trabalho e dedicação tudo se consegue”, garantiu a presidente.

 

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO