Fajãs de São Jorge dominadas por Thibaut Baronian e Sandra Koblmüller

0
6

Após a dureza enfrentada sexta-feira na montanha, as Fajãs de São Jorge foram mais brandas com os participantes nesta 2.ª edição do Azores Triangle Adventure. Depois de uma viagem de barco tranquila, os atletas seguiram de autocarro para o lugar de São Tomé, próximo do Topo, onde os esperava um pequeno-almoço reforçado antes da partida, ao meio-dia.

Com condições meteorlógicas bastante favoráveis, contou-se apenas uma desistência no percurso de 28 km até à meta, na Fajã dos Cubres, marcado principalmente pelos vários desníveis.

O francês Thibaut Baronian já tinha mostrado a sua excelente forma no Pico, e manteve o ritmo em São Jorge, isolando-se do resto da prova logo no início.

O atleta da Salomon repetiu no Trail das Fajãs a vitória da véspera, e por pouco não superou o tempo do vencedor de 2015: Baronian precisou de 02h39m24s, enquanto que no ano passado bastaram a Armando Teixeira 02h37m50s.

O resto do pódio não sofreu alterações em relação ao Pico: o austríaco Thomas Farbmacher chegou em segundo lugar, 09m43s mais tarde que o colega de equipa. O madeirense Ricardo Gouveia voltou a cortar a meta em terceiro lugar, desta feita acompanhado de Luís Mota. Ficaram a 22m07s e 22m08s de Baronian, respetivamente.

A mulher mais rápida a chegar aos Cubres foi Sandra Koblmüller, que repetiu a vitória do Pico. A atleta da Salomon conseguiu ainda bater o tempo da vencedora da edição anterior, ao fazer a prova em 03h05m49s.

Lucinda Sousa, recorde-se, tinha precisado de 03h21m03s. A atleta portuense não revalidou a vitória nas Fajãs mas foi a portuguesa mais rápida em prova, com um tempo de 03h29m59s, chegando em 11.º da Geral.

Destaque para os açorianos em prova, com Roberto Duarte, do CIAIA, a classificar-se em 10.º lugar, com 03h25m23s, e Andrea Mota, do 2FITU, em 24.º, com 04h23m38s.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO