Federação das Pescas propõe alterações na gestão da quota do Alfonsim e Imperador

0
27
blank
Federação das Pescas dos Açores

Federação das Pescas dos Açores

Garantir a sustentabilidade dos recursos marítimos assegurando, em simultâneo, o
rendimento dos pescadores é um dos grandes objetivos que a Federação das Pescas dos Açores (FPA) ostenta. Neste sentido, a FPA tem trabalhado juntamente com os seus associados, num conjunto de medidas a implementar em prol de uma melhor gestão da quota dos Beryx spp., nomeadamente, do Alfonsim e do Imperador.

Assim, a Federação das Pescas dos Açores pretende que a portaria n.o 93/2017 de 14
de dezembro, seja altera, considerando a gestão de quota de 2022 da unidade populacional dos Beryx spp. De acordo com a chave de repartição de 85%, pela Portaria no 161/2017 de 15 de maio, na alínea b) do número 1 do artigo 2o, relativamente à quota dos Beryx para Região Autónoma dos Açores, este ano, cerca de 123 ton., propomos um modelo de gestão face à quota estabelecida, atribuindo limites por maré e por mês para as embarcações costeiras e locais. Este modelo permitirá uma constante oferta, capaz de atender à exigente procura destas espécies no mercado regional.

Uma vez mais, temos sido penalizados pela redução de quotas, e estas espécies não
são a exceção, afetando diretamente a economia do setor. Segundo os dados que dispomos, o preço médio de venda em lota do Alfonsim no ano de 2021 foi de 5,76 €/Kg, e o preço médio do Imperador, no mesmo período, foi de 28,62 €/Kg, sendo notável a vantagem da comercialização do Imperador comparativamente ao Alfonsim. Como tal, existindo o objetivo de maximizar o rendimento económico desta quota para os armadores, pescadores e mercado adjacente, a FPA propõe que, aos 70% da possibilidade de pesca da unidade populacional Beryx spp., seja interdita a pesca ao Alfonsim, sendo apenas permitida a captura de Imperador.

A intenção da implementação deste modelo de gestão, solicitada pela FPA, seria de
proporcionar um bem-estar socioeconómico aos profissionais do setor, por estas espécies terem um elevado valor comercial, e pretender um contínuo crescimento da valorização económica destas espécies.

De referir que estamos a trabalhar em conjunto com a Direção Regional das Pescas para
uma melhor gestão da quota dos Beryx.