Governo dos Açores aposta na criação e melhoramento das respostas sociais em Santa Maria

0
11

A Secretária Regional da Solidariedade Social afirmou hoje, em Vila do Porto, que a taxa de cobertura de Centros de Atividades de Tempo Livres (CATL) na ilha de Santa Maria “é superior ao recomendado”, salientando que, “em 2019, rondava os 22,6%, valor acima do recomendado, que se fixa em 20%”.

 

Andreia Cardoso falava na cerimónia de lançamento da primeira pedra para a requalificação e adaptação de um edifício para o Centro de Atividades de Tempos Livres da Santa Casa da Misericórdia de Vila do Porto.

 

“O Governo dos Açores aposta na criação e melhoramento das respostas sociais nesta área de intervenção, promovendo, assim, o equilíbrio no que se refere às taxas de cobertura dos CATL”, frisou.

 

A adaptação deste edifício da Santa Casa da Misericórdia de Vila do Porto para Centro de Atividades de Tempos Livres permite a recuperação do património edificado, no caso no centro de Vila do Porto, e terá a capacidade para 55 crianças, implicando um investimento de mais de 630 mil euros.

 

Andreia Cardoso referiu que esta obra se enquadra na estratégia do Executivo açoriano que perspetiva “assegurar a todas as crianças e jovens, desde o início de vida, um processo de desenvolvimento integral e inclusivo que enfatiza, entre outros aspetos, o papel fundamental dos CATL na promoção do sucesso escolar e de complemento ao desenvolvimento integral das crianças e jovens”.

 

“As respostas educativas para a infância, nomeadamente os Centros de Atividades de Tempos Livres, desempenham um papel de grande relevo na estimulação do desenvolvimento cognitivo das crianças e da sua socialização, com impacto significativo ao longo do seu percurso escolar e durante a sua vida adulta”, acrescentou.

 

Na ocasião, a governante sublinhou a parceria de excelência com a Santa Casa da Misericórdia de Vila do Porto, que possui 10 acordos de cooperação com o Instituto de Segurança Social dos Açores, com capacidade de resposta para 236 pessoas, que se traduzem num investimento anual para funcionamento de quase 870 mil euros.

 

“Se agregarmos as restantes três instituições existentes na ilha, ou seja, o Recolhimento de Santa Maria Madalena, a Casa do Povo de Almagreira e a Associação Salvaterra, os contratos de cooperação disponibilizam cerca de 348 vagas em 13 respostas e serviços sociais”, referiu.

 

A Secretária Regional revelou ainda que o investimento do Governo em matéria de respostas sociais em todas as áreas de intervenção na ilha de Santa Maria entre 2013 e 2019 foi de cerca de 9,8 milhões de euros.

 

“Isto permitiu aumentar as respostas sociais existentes na ilha de Santa Maria em 40%, o que, em termos de capacidade instalada, se traduziu num aumento significativo, passando de 318 para 476 lugares, correspondendo a mais de 50% dos lugares existentes”, afirmou Andreia Cardoso.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO