Governo dos Açores prossegue “integração dos transportes aéreos e marítimos”, como previsto no Plano Integrado de Transportes

0
30

O Secretário Regional dos Transportes e Obras Públicas afirmou, em Ponta Delgada, que, com o sistema online da SATA para venda de bilhetes das ligações marítimas nas ilhas do Triângulo realizadas pela Atlânticoline, hoje apresentado, está dado mais um passo na implementação da política do Governo dos Açores que visa a “integração dos transportes aéreos e marítimos, tal como está contemplado no Plano Integrado de Transportes”.

Para Vítor Fraga, esta “é uma importante medida, nesta perspetiva de criar uma melhor experiência em todas as fases de planeamento e de execução de todas as atividades de mobilidade na Região, e que, desta feita, vai integrar o transporte aéreo, quer do exterior para a Região, quer no interilhas, com o transporte regular de passageiros nas ilhas do Triângulo”.

O titular da pasta dos Transportes salientou que este sistema de venda integrada de bilhetes do transporte marítimo de passageiros pela SATA/Azores Airlines facilita a mobilidade de todos aqueles que utilizam estes meios de transporte, “quer os residentes, quer os aqueles que visitam” o arquipélago.

Esta medida vem, segundo Vítor Fraga, na linha de toda a estratégia desenvolvida com a definição de políticas públicas, como a alteração do modelo de acessibilidades à Região, a revisão das Obrigações de Serviço Público do transporte aéreo interilhas e a definição de Obrigações de Serviço Público para o transporte marítimo de passageiros na Região.

“Os resultados estão à mostra, são evidentes, nomeadamente ao nível do transporte aéreo, em que o ano de 2016 se mostrou, mais uma vez, como sendo o melhor ano de sempre. Se, em 2015, já tínhamos batido o recorde de ultrapassar um milhão de passageiros desembarcados, mais precisamente tivemos 1,1 milhões, em 2016 passamos a ter 1,3 milhões de passageiros desembarcados, o que representa um crescimento de cerca de 20% face àquilo que já tinha sido o melhor ano de sempre, ou seja, face a 2015”, frisou o Secretário Regional.

“Tudo isto demonstra que a definição de boas políticas públicas vai ao encontro daquilo que são as necessidades das pessoas, nomeadamente dos residentes, incrementando os seus níveis de mobilidade e naturalmente que isto depois tem impacto ao nível de outros setores de atividade, pois não nos podemos esquecer que os transportes são instrumentais no que concerne ao desenvolvimento económico de uma região com as caraterísticas como a nossa, que é uma região arquipelágica e insular”, afirmou Vítor Fraga.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO