I Estágio de Verão da Unânime Praiense conta com uma centena de participantes

0
40
DR

DR

A Sociedade Filarmónica Unânime Praiense promoveu, esta semana, o I Estágio de Verão da SFUP.
Neste I Estágio, juntaram-se à banda da Unânime Praiense, entidade base da formação e acolhedora da atividade, cerca de sessenta músicos das ilhas do Faial e do Pico provenientes de sete bandas filarmónicas.
Esta iniciativa teve a particularidade de ter um espaço aberto para crianças que estão a iniciar o seu percurso nas bandas filarmónicas, nomeadamente nas escolas de música, permitindo assim um primeiro contato com a música ou continuação do seu processo formativo.
O curso foi dividido em três partes, contemplando não só uma componente teórica como também uma classe de conjunto. Numa primeira fase deu-se foco ao estudo técnico de cada instrumento e à formação musical. Já a última parte englobou sessões com a banda nas quais foram trabalhados vários conteúdos, desde o contato visual com o maestro à afinação e musicalidade.
O Estágio, termina amanhã, sábado, dia 19 de agosto, com um concerto de encerramento integrado nas Festas em honra de Nossa Senhora da Graça e tem como objetivos o desenvolvimento da aprendizagem individual, o aperfeiçoamento na execução instrumental e a promoção do trabalho coletivo com outros músicos.
A dirigir o Estágio esteve Rúben Silva, maestro da Unânime Praiense, que foi também formador de trompete e trompa, que se fez acompanhar de Artur Neves, formador de trombone, tuba e bombardino, de Cátia Silva de saxofone, de Vítor Costa, formador de clarinete, de Rui Sousa, especialista em flauta, de Isaac Fernandes, professor de oboé e fagote e Mário Bento de percussão.
De referir que o concerto de encerramento será acompanhado pelas vozes de João Campos e Ana Maria Silva.
O I Estágio de Verão da SFUP tem o apoio da Câmara Municipal da Horta, Junta de Freguesia da Praia do Almoxarife, Casa do Povo da Praia do Almoxarife e Fundação Inatel e pretende mostrar que a Sociedade Filarmónica Unânime Praiense continua a apostar na formação por considerar “que esta é a via que garante não só qualidade musical mas também a continuidade desta instituição centenária do Faial”.

O MEU COMENTÁRIO SOBRE ESTE ARTIGO